Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Handicaps da condição I

por Filipa, em 17.07.13
A incapacidade que se desenvolve que nos impede de andar sem migalhas e/ou nódoas na roupa, na zona das mamas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Diários

por Filipa, em 16.07.13
A minha mãe, fofinha que só ela sabe ser, começou a vir a minha casa todos os dias até o meu gajo chegar, por forma a eu estar o mínimo de tempo sozinha. Já desisti de explicar que se me deixarem comida e bebida, os comandos, o portátil e a ventoínha perto do sofá que me adoptou, fico bem. Aliás, mesmo sem pequeno leitão na minha pequena barriga, eu passo muito bem nestas mesmas condições, mas pronto. Ninguém acredita em mim, maneiras que tenho que me aguentar aqui com a mamãe que como já limpou tudo, arrumou tudo, passou tudo, areou tudo, tratou-me das bichas todas, e não tem mais nada que fazer, decidiu apresentar-se ontem com um iPad e note-se que mamãe é gajo para nem no telemóvel saber mexer. Nem no rádio do carro. Nem num microondas. Bem, surpresas à parte, mal terminou a sua/minha lida, que aconteceu por volta da hora do almoço, agarrou-se ao iPad e tchanan!, pôs aquela merda no bigui bróda e aqui estou eu, a saber de tudo em tempo real e no exacto momento em que vos escrevo estas humildes letras, está o Flávio Furtado a apanhar cagalhões. O pior é que no Domingo já acaba, eu com algumas semanas de choco pela frente, e a Cristina Ferreira armada em Beyoncé vai anunciando um programa de dança que é uma luxúria. Gravidez santa, meus caros. Invejem-me, se fizerem favor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não sei se por já não estar apaixonada por quem me apresentou os Kings of Leon, se por o fantástico aroma a comida que se fazia sentir pelo espaço me ter desviado as atenções, se por achar muito estranho o facto se haver quem enfrente filas para se maquilhar, mas a verdade é que o concerto foi um autêntico cócó. Que puta de chatice, valha-me deus. Um verdadeiro caso de atentado ao tédio ouvir a voz desmotivada do vocalista e já vi múmias mais activas, se querem saber. O meu gajo anda uma pilha. Levou-me pela mão enquanto nos estávamos a dirigir ao local eleito e que ninguém ousasse invadir o perímetro de segurança que ele definiu ser, entre a minha barriga e outro ser vivo, de quilómetro e meio. Anda histérico com a possibilidade de alguém inadvertidamente me tocar num caracol e com o facto de eu ir a tudo o que é concerto mas, hey, há para aqui liquido e carninha para dar e vender, maneiras que acho que o puto está bem protegido e não nos esqueçamos de dois pontos de suma importância, apesar de parecer que não: Sou muito responsável mesmo na minha aparente irresponsabilidade e não percebo porque insistem em achar que ao engravidar o pessoal fica senil. O people só fica um pedacinho esquecida, gorda, com prisão de ventre, na loucura hemorroidas, mau feitio, chorona, irritadas, com apetite, com gases, com retenção de líquidos, com desejos, com contracções, com câimbras, tensão alta, com dores (em sítios que não sabíamos poderem doer), ansiosas, nervosas por vezes histéricas, preocupadas, com insónias mas senil é que não, foda-se! E foi muito bem feito para este conas existir tanta grávida no recinto para perceber que nós também temos direito à puta da vida. E mostrei-lhe como sou uma dura já que não fui para o espaço dedicado a nós, cheio de cenas fofinhas e paneleiras. Já que falo nisso reparo que deve estar na moda. Se me perguntarem a proporção relativamente aos não grávidos, diria e não correndo o risco de exagerar muito, que por cada pessoa não grávida havia uma grávida. Credo, gente, lembrámos-nos todos na mesma altura porquê?, fica a pergunta. Em segundo lugar o pessoal, sobretudo o pastilhado tem um certo pavor disfarçado de respeito, chamemos-lhe assim, a gajas de esperanças, chamemos-lhes assim também. Senti-me por isso o Moisés das grávidas e por onde passava, caminhos de pessoas se abriam, tapetes vermelhos se estendiam, salvas eram disparadas, bobos faziam danças bobas, quasares guiavam-me até aos melhores lugares que rejeitava porque eu gosto é de estar com o povo e já estou para aqui a divagar. Raça do homem que nem dançar sossegada me deixava e a sorte dele foi a merda de concerto ter sido efectivamente uma real cagada senão era gaja para ir ao Super Bock Super Rock e depois queria ver. Ai, não, espera. Também já tenho bilhetes para esse.

Autoria e outros dados (tags, etc)






Header gentil e adoravelmente cedido pela

Gaffe