Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dúvidas Cor de Rosa

Um blog extremamente fofinho e quase sempre zen.

Dúvidas Cor de Rosa

Um blog extremamente fofinho e quase sempre zen.

Best of 2015

Dezembro 30, 2015

Filipa

DEZEMBRO

 

Cá estamos na recta final deste ano que passou a correr, caramba que isto cada vez passa mais depressa.

 

Dezembro foi o mês em que comecei com isto de reviver este ano mês a mês, portanto eu agora se fosse mesmo magana, espetava aqui com um post a reviver um mês que por acaso é o actual -nada melhor do que reviver os dias actuais- que basicamente serviu para reviver o ano, mês a mês. Era mesmo fixe, não era? Eu aqui a dizer-vos que em Dezembro de 2015, ou seja ontem ah ah ah ah esparramei aqui a minha dúvida mais permente e periclitante: que caralho vai ser dos blogoengatatões em 2016? Dar-vos cabo da mona ao mostrar-vos que foi em Dezembro de 2015, anteontem portanto ah ah ah que giro que isto é, que a Sonae me pôs fora de um Shopping porque os roqueiros são ruins e têm mau aspecto e, com medo que lhes estragassem o shopping da linha, tudo para a rua à espera dos bilhetes para o concerto dos ac/dc e nem um pio, han?, calou!, era giro, não era?

Sucede que sou um docinho, uma autentica fatia parida e vou-vos poupar à tortura que estes resumos trouxe à vossa existência.

No entanto, e para não dar o tempo por perdido nem o post por desperdiçado, vou mas é já aqui decidir sem quê nem porquê e antes que se faça tarde, as minhas resoluções para 2016. 

i) quero muito estabelecer as melhores relações com todos os anónimos e com todos os bloggers e com todo o mundo assim no geral. Se isto não prova que estou muito empenhada em tornar-me melhor pessoa, então não sei nada de pessoas boas nem de mundos melhores.

ii) quero muito aprender a andar de bicicleta e passar as minhas manhãs de domingo a fazer desporto saudável e profícuo.

iii) este ano quero começar a perceber a impaciência e a rabujice dos velhinhos. A pressa que têm em chegar a todo o lado, as idas diárias à farmácia, ao posto médico, aos ctt, ao supermercado logo nos primeiros minutos da abertura, enfim, toda uma inexplicável urgência de quem tem bué para fazer no resto do dia e não pode mesmo esperar, muito menos chegar atrasado.

iv) as mulheres. É este ano que conto começar a amá-las e tentar perceber por que caralho Adão teve a infeliz ideia de deixar que uma sua costela tivesse este fim.

v) tempo para ler blogues de homens. Não acho possível só existirem os que tenho na minha lista, toda a gente sabe da superioridade masculina nesta área, como aliás em todas as outras. Já que falo nisso, nem percebo porque coloco a qualidade dos blogues masculinos em causa, que estúpida que sou: nós não existíamos enquanto bloggers se os homens não se tivessem metido nisto. Não posso continuar distraída desta maneira. Em 2016 é que vou atinar.

vi) vou começar a deixar os meus cães e gatos e os seus cus e línguas que lambem tomates com a mesma facilidade com que lambem as minhas bochechas, dormirem na minha cama e nas dos meus putos e tentar perceber o encanto que é dormir numa cama mal cheirosa e com tufos de pelos narinas acima e lençóis abaixo. De certeza que vou adorar que estes meus filhos de quatro patas partilhem em pleno esta família que os acolheu desta forma tão íntima e completa.

vii) ver todas as séries recomendadas pelas bloggers de referência. Se não gostar devo partir do principio que alguma coisa de errada se passa comigo e insistir. Insistir até gostar e negar que não gosto até ao fim. Ver do primeiro ao último episódio, formular uma opinião positiva e consistente baseada num apanhado de diversos feedbacks de referência. Se necessário tomar medicação recomendada em vários blogues da especialidade.

viii) olhar com outros olhos para Cristina Ferreira, mulher empreendedora e que se sabe fazer ouvir. Portugal precisa de mais Cristinas Ferreiras, eu preciso de mais Cristinas Ferreiras, Portugal precisa de se rir.

vix) não gozar com as patacoadas que as bloggers influentes escrevem acercas de produtos que as marcas lhes oferecem com vista à boa da publicidade. Afinal ninguém é obrigado a saber de tudo e no meio de tanto texto, de tanto blog e de tanta publicidade, pode acontecer algum dado importante ter ficado para trás. 

x) compreender e aceitar aquele fenómeno cíclico que é um produto aparecer num blog e de repente cabum!, está em todos. Toda a gente sabe que os bloggers famosos padecem de uma cena osmótica e quando calha a gostarem de alguma coisa, cabum!, gostam todos do mesmo, da mesma marca e no mesmo dia e às vezes, cabum!, isto ele há coisas, praticamente à mesma hora.

xi) estou lixada: afinal em 2016 vou escrever sobre o quê??

 

Leio por aí coisas destas e esbugalho bué os olhos #11

Dezembro 29, 2015

Filipa

andava aqui um bocado confusa com esta coisa do piropo

Dezembro 29, 2015

Filipa

 

O que diz a nova lei, relativamente ao piropo:

"quando uma pessoa importuna outra, praticando perante ela actos de carácter exibicionista, formulando propostas de teor sexual ou constrangendo-a a contacto de natureza sexual."

 

Depois fui à procura da lei sobre o assédio sexual, porque esta lenga-lenga toda soava-me a familiar:

"assédio sexual é sinónimo de insistência, impertinência e pode assumir várias formas. Pode assumir uma forma de proposta, conduta ou iniciativa sexual."

 

pelos vistos não sou a única a não saber o significado de "piropo".

Best of 2015

Dezembro 29, 2015

Filipa

 

 

NOVEMBRO

 

 

Nota-se que estão a aderir que é uma coisa louca a este regresso ao passado que inventei à pressão, só porque não tenho tempo para mais, maneiras que mamem lá mais esta bucha para ficarem de estômago mais aconchegadinho:

 

 

Novembro, saudoso mês, vi o meu pé de salsa partir. Mais gente viu, aliás, toda a gente viu, toda a gente brincou. Mas depois voltaram atrás. Ai que é feio, ai que não pode, não pode é mas é o caralho. 

 

Confessei-vos que, tal como aqui nos blogues, quando abro os olhos e me imponho, os conas metem-se em sentido. E voltam atrás com as brincadeiras como as que falei no parágrafo anterior. 

 

Mês em que contra toda e qualquer expectativa encontro uma blogger que não é minha fã

Snif.

 

Mamas à parte, dia 15 de Janeiro no Marquês, não se esqueçam, han?

 

E o mês em que finalmente me abri. Felizmente que sou das silenciosas e praticamente sem cheiro.

 

Anunciei a chegada dO batom das vossas vidas, os emails, os foguetes, as festinhas no cabelo que já recebi à conta deste post, não têm noção.

 

Falei de política, coisa que nunca pensei vir a fazer.

 

O vosso tormento está a acabar, só falta um mês.

Mal sabem vocês o que está para chegar.

 

 

 

 

 

 

 

 

A escolha do filme para a noite de Natal

Dezembro 28, 2015

Filipa

foi tarefa mais difícil do que a escolha do menu e muito mais do que a compra dos presentes.

Fiquem vocês sabendo que em hora e meia do dia vinte e quatro, despachei todas os presentes e somos (sim, que eu também sou filha de Deus) para cima de vinte. Infelizmente não tive oportunidade de dormir a manhã toda conforme tinha planeado porque o meu marido, esse apressadinho, queria porque queria ir logo cedo, não fosse o cabrão do mundo acabar e não ter tempo para comprar tudo.

 

Homens!

 

Se havia necessidade de me arrancar da cama às onze da manhã se os shoppings só fechavam às cinco (até acho que fechavam mais tarde, mas pronto).

 

Bom. 

A escolha do filme não foi fácil. Gostamos sempre de passar a noite de natal no sofá, de roda dos últimos doces e de chá quentinho, de lareira acesa, com os putos ali quietinhos e limpinhos e bem comportados como filhos de uma blogger que são. Como estava a dizer, não foi pêra doce. Parecendo que não tínhamos em cima da mesa uma série de pontos que tinham que convergir para um único e exclusivo ponto: o de concordância e eu sou difícil de convencer, ó se sou.

i) Não podia ser um filme de terror, infelizmente para mim que acho que um filme de terror cai sempre bem, independentemente da altura do ano. Os miúdos iam ver e o homem achou que não era porreiro assistirem.

ii) Tinha que ter música ou então só se iria conseguir ver os cinco primeiros minutos. Não entendo onde estes putos foram buscar este gosto pela música, mas é a única maneira de os meter em sentido.

iii) Tinha que resvalar para a comédia. Esta é uma altura do ano um bocadinho sensível para mim por motivos que me fazem andar de nervos em franja. Portanto rir seria mesmo a melhor solução.

iv) Cá nada de desenhos animados nem de filmes para putos. Já me chegam os 364 dias em que tenho que levar com eles, ao menos um dia por ano que se veja alguma coisa em família que agrade a todos. E verdade seja dita, os putos não percebem merda nenhuma. Ouvem a música, ai e tal que cores tão giras, não tive foi tempo para descobrir um filme de terror com poucos gritos. A seu tempo.

v)"sozinhos em casa", "musica no coração", "o senhor dos anéis", "frozen", "feiticeiro de oz", epá, poupem-me, bem basta o castigo de ver as rabanadas a alaparem nas nalgas de uma pessoa, não contem comigo para merdas destas, todos os anos esta falta de originalidade e se não tivesse sido a entrevista do Jorge Jesus ontem à noite, a tv nestes dias natalícios tinha sido uma morte lenta de tédio sem piada absolutamente nenhuma.

 

Calhou ver o trailler de um filme no videoclube da meo e achei que tinha que ser aquele e foi aquele.

O filme é de comédia, tem música, não é filme para crianças, é uma sequela, não faço ideia do que aconteceu no primeiro e nem sequer o encontro, mas porra, o que chorei com o filme, não tendes noção, peguem lá a parte final, a pior, e digam-me que o meu gajo não tem razão para me andar a gozar desde então.

 

 

 

 

Snif.

(chorei mais um bocadinho quando encontrei o vídeo)

(e mais outro bocadinho quando revi o post)

 

Best of 2015

Dezembro 28, 2015

Filipa

 

OUTUBRO

 

Ai, Outubro, o que eu gosto de um bom Outubro, o meu mês, mês de balanço, mês em que o meu ano termina, em que um novo começa, eu que começo dietas, ginásios, prometo não dizer mais disparates, controlar o que eu digo, não dizer tanto palavrão, mas nunca, nunca, nunca cumpro nenhuma resolução.

É foda.

 

Neste Outubro, a palavra da moda foi "cordial". Ser cordial no seu blog e com quem o visita/comenta era a quinta essência de berço e de classe. Desculpem lá se vos ofendo, mas estou-me cagando para a cordialidade. Os meus valores obrigam-me a ser cordial com quem gosto. Apenas e só. 

 

Cumpri o meu dever cívico e pelo qual tanta mulher lutou e tanto soutien foi queimado e fui votar. Devo dar a mão à palmatória e reconhecer que apenas o fiz porque um em cada trinta e três bloggers o aconselhava a fazer.

 

Infelizmente não foi muito blogger da minha parte não publicar nenhuma foto a comprová-lo, mas os meus motivos eram fortes, muito fortes.

 

Em Outubro e em jeito de comemoração, decido convidar-me para uma entrevista, uma coisa intimista, muito ao jeito do "o que dizem os teus olhos?". Surpreendentemente e contra todas as expectativas decido aceitar e em boa hora o fiz. Inovadora, não paro mesmo de surpreender.

 

Dedico ainda um tempinho às minhas leitoras não assíduas que acham que isto é tudo delas. Não é e enerva-me um bocado pensarem que pode ser.

 

Mais um desafio -agora que penso nisso, há que tempos que ninguém me desafia, mas afinal o que é que vem a ser isto??- o que eu passei a divertir-me com isto.

 

Pela primeira vez falo muito a sério sobre uma dúvida sobre cremes, de uma leitora que me mandou um email, coisa que nunca faço uma vez que respondo sempre pela mesma via. Fi-lo porque receava estar a induzir outras leitoras no mesmo erro e decidi esclarecê-lo. Doeu-me muito. Espero que tenha valido a pena.

 

Aprendi a razão de ser dos patamares vegetarianos: pode-se comer plantas à vontade porque, ao contrário dos animais, estas não têm olhinhos nem filhos. Apesar de lindas, claro.

 

Duas séries supimpas que esta aqui que vos escreve estas lhana linhas (que não entende como é que existe quem jure que este mês é dos mais quentes dos últimos anos mas que compreende que por vezes só com drogas duras é que a vida lá vai) vos recomendou e ainda hoje chora lágrimas de sangue e sente pontadas nas costas por desde então nunca mais ter encontrado nada que lhes chegue aos artelhos.
Snif. Chego a sentir saudades do Norman a arrancar as tripas aos bichos. 

 

E de Ermesinde, a gaja boa de Outubro:

 

calendario_casa_povo_ermesinde_2016_05.jpg

 

 

 

Outubro é um mês muito virado para a introspecção e ai de quem disser o contrário.

 

 

Pág. 1/5

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D