Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ainda o Cláudio Ramos

por Filipa, em 10.12.15

 

Não percebo porque ninguém dá os parabéns nem palmadinhas nas costas, aos heterossexuais que confessam ser heterossexuais.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


19 comentários

Sem imagem de perfil

De Linda Blue a 10.12.2015 às 13:45

Cada vez que digo ou escrevo que sou heterossexual empedernida, há alguma coisa no ar que me faz sentir estranhamente anormal. E não, não são gases, porque, conforme penso que sabes, eu sou uma senhora e não faço essas coisas.
Sem imagem de perfil

De Troll a 10.12.2015 às 15:08

Talvez porque não são vitimas de qualquer tipo de discriminação ao fazê-lo.
Assim como não existe uma necessidade dessa "confissão" visto vivermos numa sociedade heteronormativa.
Sem imagem de perfil

De me a 10.12.2015 às 17:29

É verdade. Mas se nunca pararmos de dar este tipo de protagonismo a estas notícias, nunca mais conseguimos chegar a um tratamento igual ou a uma diminuição da descriminação.
Diria que o ponto óptimo será a naturalidade em ambas as circunstâncias, não?
Imagem de perfil

De Filipa a 10.12.2015 às 17:32

Alguém que compreende o post.
Cá beijinho.
Sem imagem de perfil

De Troll a 10.12.2015 às 18:15

Eu gostava de concordar, mas acho que ainda não chegámos a esse ponto.
Sou a autora do comentário anterior.
Sou lésbica e preciso afirmá-lo, nem que seja em certas contextos, em situações do dia a dia.
E a discriminação ainda é tanta...
Imagem de perfil

De Filipa a 10.12.2015 às 18:17

Precisas afirmá-lo?
Ó diabo...

Queres desenvolver? É que, assim de repente, não estou a ver em que situação é que uma pessoa precise de afirmar a sua orientação sexual, essa coisa tão íntima, tão privada...
Sem imagem de perfil

De me a 10.12.2015 às 22:00

Consigo imaginar algumas situações. Em que fales da tua parceira por exemplo (se a tiver).
Acontece-me mtas vezes falar no gajo cá de casa em conversas com alguns colegas, imagino que lhe possa acontecer o mesmo.
Imagem de perfil

De Filipa a 10.12.2015 às 23:21

Me, uma coisa é falarmos do nosso parceiro outra coisa é afirmarmos a nossa sexualidade, vamos lá a separar as águas. E eu, por muito que pense, não percebo em que situação é que é necessário fazê-lo.
Se o que está em causa é a igualdade, eu como heterossexual não o faço. Em altura alguma preciso de me afirmar como tal simplesmente porque não me faz sentido.
Daí ter pedido desenvolvimentos.
Se tu consegues imaginar cenários, por favor, explica-me quais que estou mesmo às escuras.
Sem imagem de perfil

De me a 10.12.2015 às 23:46

Sim Filipa, são coisas diferentes. Mas repara, se te chamas Filipa e o teu parceiro se chama Ana, ao falares nele estás a "expor" a tua sexualidade, certo?
Imagina no trabalho, por exemplo, para efeitos de benefício de seguro de saúde, tens de identificar a pessoa...logo acabas por dar a conhecer a tua tendência sexual. Atenção, não sei se era a este tipo de situações que ela se referia. Apenas me lembrei destes casos e assumi que se estivesse a considerar como assumir/afirmar.
Imagem de perfil

De Filipa a 10.12.2015 às 23:54

E então?
Sendo heterossexual a coisa funciona exactamente da mesma forma. Os dados são confidenciais, não vejo aí nada de transcendente.
Não é mesmo má vontade, não pensem. Simplesmente não consigo alcançar.
Sem imagem de perfil

De me a 11.12.2015 às 01:04

Oh mulher tu não me batas.
A moça disse que havia situações em q tinha necessidade de se assumir (para indicar que sofre descriminação). Tu disseste q n vias em q contexto isso pudesse acontecer.
Ora bem (e posso ser eu q estou a assumir mal) mas, e precisamente pq defendo a naturalidade da situação, imagina q tens um evento de natal extensível à familia (sim, há empresas onde isso acontece). Naturalmente, ela ira acompanhada de outra mulher, logo, "assumia-se" aos olhos de terceiros. Não sei seriam situações nesta linha ou não. Mas lá está, assumindo um comportamento "normal" tal como um heterossexual, acho normal q uma lésbica ou um homossexual fale do seu companheiro no trabalho, com alguns colegas. Já n acho normal q haja descriminação em relação a isso, mas infelizmente tb n estranho q haja.
Creio q era a isso (descriminação) q ela se referia.
Divergimos no entanto na opinião de q falar nisso, claudio ramos style (media style), ajude a diminuir essa discriminação. Eu n acho q ajude, pelo contrário.
Mas compreendo a tua dúvida (a palavra "preciso" é dúbia, de facto. Posso ter sido eu a fazer a leitura errada.
Imagem de perfil

De Filipa a 11.12.2015 às 10:45

Justamente porque o "preciso" pressupõe necessidade.
O casamento não é legal? Então, quando os homossexuais começarem a encarar a coisa com naturalidade, talvez o mundo também comece.
Eu tenho uma colega casada com uma mulher e, além das risadas que a coisa provoca muito por causa dos disparates que digo, ninguém estranha, ninguém questiona e tenho a certeza de que ela não sente que precisa de se assumir. É natural.
Sem imagem de perfil

De me a 11.12.2015 às 10:50

Sim mulher! Estamos mais do q de acordo nesse ponto. Eu não partilho é da opinião da troll. Concordo com a tua, como disse inicialmente. Acho q temos de olhar para essas situações de forma natural, até pq o são!
E enquanto se continuar a dar destaque a noticiazitas destas acho q nunca vamos acabar com o estigma.
Imagem de perfil

De Filipa a 11.12.2015 às 10:56

Então porque havia de te bater?
Raio das mulheres em tpm, pá! :)))
Sem imagem de perfil

De Ana a 11.12.2015 às 00:08

Mas falar do parceiro pode deixar explícita a orientação sexual. Se um homem falar no seu marido ou no seu companheiro, a sua orientação sexual fica afirmada, ou pelo menos fica presumida. E será aí, na rotina diária de cada um, que a discriminação é sentida e sofrida, porque está protegida pelo anonimato. Sinto sempre as manifestações públicas de solidariedade como uma tentativa de descolamento do preconceito.
Sem imagem de perfil

De me a 10.12.2015 às 21:58

Eu compreendo. Bem sei que a nossa sociedade está a anos de luz de aceitar a homossexualidade com a mesma naturalidade que aceitamos a heterossexualidade.
Mas continuo a achar que fazer capaz nas revistas e jornais com aquele tipo de conteúdo não ajuda em nada, muito pelo contrário.
Não estou a dizer que não se fale no tema, atenção. Mas não para noticias daquelas e muito menos noticiadas naqueles moldes.
Sem imagem de perfil

De Troll a 10.12.2015 às 15:34

Ya, completamente. Cada vez que vejo estas coisas penso sempre em discriminação positiva, como é que os discriminados aceitam isso e não a outra. Olha, se fosse comigo ficava nas horas, é que além de ser discriminação na mesma, é hipócrita, porque está disfarçada de bem.
As pessoas são o que são, mais nada.
Sem imagem de perfil

De Pipocante Irrelevante Delirante a 10.12.2015 às 19:13

Sim, mas...

Que me interessa se o Cláudio ramos é homo, ou bi, ou adepto de actos sexuais inomináveis com electrodomésticos.
Who cares???

E já agora, o passos, o Ronaldo, a pipoca.

Orientação sexual, vida privada.

Comentar post






Header gentil e adoravelmente cedido pela

Gaffe