Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




disse alguém do sindicato dos enfermeiros, a propósito do caso das enfermeiras que foram convidadas a mostrar que estavam efectivamente a amamentar.

Não vou dizer que este gajo devia mas era estar calado que foi o que me ensinaram a fazer, caso o meu silêncio fosse mais útil do que a minha prosa. Mas vou dizer que não percebo o motivo para toda esta confusão, o celeuma das maminhas, as enfermeiras escolheram o método, tinham mais dois à disposição.

Ah!, o problema é terem de provar que estavam a amamentar! Quê?, acharam mal? Uma afronta? Uma humilhação? Eu não, acho legítimo e só peca por ser tardio.

Humilhação é haver tanto trabalho e pouca gente a pegar nele.

Autoria e outros dados (tags, etc)


31 comentários

Sem imagem de perfil

De Mirone a 21.04.2015 às 09:31

Pois se a lei diz que a redução de horário é para quem amamenta, faz sentido que se prove que se amamenta. Ou bem que se muda a lei ou bem que se prova que se amamenta.
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 13:09

Nem mais.
Choca-me mais haver quem usufrua de algo que não tem direito, do que mostrar que se tem direito.
Curiosamente ninguém fala das juntas médicas. Na prática é a mesma situação que aqui postei; médicos a confirmar o que outros médicos definiram.
Esta gente é um desassossego, é só o que te digo.
Sem imagem de perfil

De lulu a 21.04.2015 às 10:08

Eu comentava mas tenho medo que as nazis da amamentação descubram a minha identidade e a exponham ao mundo....
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 13:08

Não tenhas. A única nazi ( e não da amamentação) aqui, sou eu :)
Sem imagem de perfil

De Carol Valadares a 21.04.2015 às 10:55

A verdade é que a necessidade de comprovar a amamentação, após um ano, já existe, através da obrigatoriedade de entrega mensal de um atestado médico. Parece-me mais que suficiente. Se os atestados são ou não falsificados, já é outra conversa. Tem graça como os médicos são tão empenhados a tentar travar licenças de amamentação eventualmente falsas, pedindo às mulheres que espremam as mamas à sua frente, mas não tão empenhados em resolver o problema dos atestados falsos passados pelos seus próprios colegas – algo que se arrasta há anoooossss….
De acordo com a lei, nenhuma mulher é obrigada a fazer prova de evidência de leite e, quem exigir o contrário, está em incumprimento. Na minha opinião, exigi-lo, seja de que forma for (prolactina e espremer mamas e afins...) é, de facto, cometer abuso sobre essas mulheres. Apenas a entrega do atestado é obrigatória e mais que suficiente. Agora, se há mulheres que prologam esse direito indevidamente? Pois devem existir. Mas se a coisa funcionasse como deve ser, nunca a licença se prolongaria indevidamente por mais de um mês.
P.S. qualquer dia começam a pedir à malta que comprove que tem a bexiga cheia quando quer ir fazer xixi…!
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 11:04

Só o início está errado; a lei não obriga a fazer a prova de evidência de leite, no entanto para dar direito à mulher de usufruir de um horário especial, há lugar a um comprovativo médico. Sem prova, como é suposto o médico agir? Quais os critérios? Se não os há, é normal existirem abusos, afinal, quem não quer estar mais duas horas diárias com os seus filhos? Se os há, é fazê-los.
Mal comparado, eu também não sou obrigada a dar sangue e, no entanto, quando vou às consultas da medicina do trabalho, sou "obrigada" a fazer análises.
Sem imagem de perfil

De Carol Valadares a 21.04.2015 às 11:21

O início não está errado. É obrigatório apresentar um atestado médico que comprove q se está a amamentar (após um ano). Mas não é à entidade laboral que compete passar o atestado. Neste caso estão em causa enfermeiros e médicos que trabalham em hospitais e, por isso, é natural a confusão. Mas há muitas mulheres que amamentam e não trabalham em hospitais e não são enfermeiras...certo? Como fariam essas? Espremiam as mamas frente aos patrões? Não, claro. Marca-se consulta no médico que, através dos vários métodos que tem à disposição - um deles é a análise à prolactina - comprova que a mulher está a amamentar. Esse atestado é apresentado à entidade patronal, mensalmente. Os critérios existem e, como lhe disse, parecem-me mais que suficientes.
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 11:23

Então mas se as visadas são enfermeiras, quem queria que lhes passasse o atestado?
Sem imagem de perfil

De Carol Valadares a 21.04.2015 às 11:37

É óbvio que quem passa atestados médicos são médicos. Mas não os médicos que são os patrões. Os médicos patrões comprovam a veracidade do atestado passado pelos médicos colegas. Patrões/chefes/pagadores de ordenado/o que lhes quiser chamar - médicos ou não - não devem obrigar mulheres a espremer mamas para comprovar que amamentam. É ilegal e abusivo.
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 11:45

Se os médicos que passam os atestados cumprirem com o legalmente estipulado para a atribuição do horário reduzido, óbvio que os médicos patrões não têm de o questionar.
Agora a questão é: Será que cumprem?
Sem imagem de perfil

De Carol Valadares a 21.04.2015 às 11:56

Exacto. É o que digo no meu primeiro comentário. Note-se que a própria Ordem dos Médicos já veio condenar esta prática. Claro que também condenam a existência de falsos atestados...
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 11:58

Foi o que disse no post.
Se há lugar a uma redução de horário, fruto do facto de se amamentar, que se comprove que efectivamente se amamenta.
Se as entidades patronais não se entendem, já é coisa para nos ultrapassar. Agora, fazer prova disso, epá, não poderia estar mais de acordo.
Sem imagem de perfil

De Carol Valadares a 21.04.2015 às 12:05

Posso não ter percebido bem mas parece-me que, no seu post, a Filipa aprova o que se passou no tal hospital com as tais enfermeiras assim como os tais métodos utilizados. O que é bem diferente de aprovar a necessidade de comprovar que se está a amamentar, conforme o que foi discutido acima.
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 12:14

O que digo no post é que se são chamadas a consultas para o provar é porque alguém anda a abusar. Não sabendo quem, paga o justo pelo pecador.
Como em tudo na vida, aliás ;)
Imagem de perfil

De Niki a 22.04.2015 às 13:09

E as milhares de baixas fraudulentas neste país? E olhe que a muito boa gente que consegue que os médicos de família lhes passem tudo... acho que ai também daqui a nada entramos no abuso de ter uma gastroentrite e ter de ir ao médico de família e esperar que vomite a frente dele ou se borre todo para que ele acredite em si...
Sem imagem de perfil

De Rute silva a 04.07.2015 às 11:23

Pois agora "falou" bem... se o legislador tivesse consciência da importância e da necessidade da presença materna nos primeiros anos da criança, oferecia às mães oportunidade de ficarem em casa, aliás como já acontece nos países desenvolvidos.
Sem imagem de perfil

De Augite a 21.04.2015 às 11:03

Pois a mim se me pedirem para espremer, farei de tudo para levarem com um esguicho bem nos olhinhos! :D
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 13:07

Tens outros métodos disponíveis :))))
Sem imagem de perfil

De Augite a 21.04.2015 às 14:50

Pois tenho... mas não têm tanta piada! ;)
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 14:51

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
Sem imagem de perfil

De Me, my shit and i a 21.04.2015 às 12:16

Para mim o verdadeiramente deprimente é vivermos numa sociedade em q é necessário atestar estas coisas!
A necessidade existe qd existem os burlões, nisto como em tantas outras coisas (tipo uma junta médica a um doente de cancro terminal...). As senhoras q estão revoltada podem sp ir ter uma conversinha com as senhora cuja "esguichadela" saiu em seco...
Sem imagem de perfil

De Me, my shit and i a 21.04.2015 às 12:20

Comi ali uns "s" no final, raios mais ao tufone!
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 14:35

exactamente o meu raciocínio.
Sem imagem de perfil

De Mirone a 21.04.2015 às 13:48

https://www.facebook.com/idademediaerabom/photos/a.718568204903685.1073741828.718564748237364/819156904844814/?type=1&theater
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 13:52

Já gostei :)
Sem imagem de perfil

De quiescente a 21.04.2015 às 13:59

O problema é sempre de comunicação. Fala-se em esguicho e toda a gente perde a cabeça.
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 14:00

Ora aí está uma verdade absoluta.
E quando se fala de marufas?
Sem imagem de perfil

De Me a 21.04.2015 às 17:29

Fiquei estupidamente incomodada com o assunto após ter visto o título da entrevista, no final da mesma só me apetecia perguntar "So what"?
Foram elas que escolheram fazer aquilo, caso tivessem sido obrigadas a fazer a prova de esguicho teriam toda a minha compaixão e revolta. Assim... é só mais uma noticia para encher chouriços.
Imagem de perfil

De Filipa a 21.04.2015 às 17:31

"a prova de esguicho", está muito bom :)
Sem imagem de perfil

De Soneca a 22.04.2015 às 00:26

Estive a ler a notícia no jornal público e parece que a "coisa" se passa entre as profissionais de saúde, que estendem a sua redução de horário por amamentação por 3 e 4 anos ( nem sabia que tal era possível). Parece que a brincadeira não agrada aos que não entram no jogo e têm de fazer as horas das colegas que (não) amamentam.
Ao que parece, a ordenha era uma das opções para fazer prova , a que a senhora enfermeira terá escolhido. Provavelmente porque, tal como eu, vários anos passados desde a ultima amamentação, ainda consegue extrair umas gotas de leite das mamas.
Vou já pedir redução de horário.
Imagem de perfil

De Filipa a 22.04.2015 às 00:34

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

Ó meu deus, isto é uma melhor do que a outra!!!

Comentar post






Header gentil e adoravelmente cedido pela

Gaffe