Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

 

 

C4 Pedro, foi o feliz destinatário de uma carta aberta de Rita Ferro Rodrigues, através do site Capazes.pt, onde resumidamente acusa o cantor de, com esta música (o artista apagou o clip), incentivar clara e inequivocamente ao assédio sexual, à intimidação e à violência.

Eu, que já ouvi a música uma série de vezes e que de facto a considero de uma violência extrema sobretudo para os meus pobres ouvidos que fazem absolutos sacrifícios em prol deste blog, pergunto-me se não estaremos a entrar numa espiral de exageros, a banalizar o que deveria ser um assunto sério, tratado com a devida solenidade em vez usar qualquer merda para espetar o dedo e PAROU! ISSO É VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES, NÃO PODE! essas pobres e eternas indefesas.

Depois deixo-me de perguntas parvas porque estou careca de saber as respostas.

 

O cantor, além de ter retirado o clip do seu facebook e pelo que me apercebo, da internet, escreveu um pedido de desculpa aos ofendidos, esclarecendo que não o fez com esse intuito, não são esses os valores e educação que os pais lhe deram -e dão- nem os que passa às quatro filhas.

 

Enerva-me esta puta desta moda de qualquer coisa ser apontada como um atentado aos direitos femininos. Eu, por exemplo -e segundo o que li no facebook do cantor- vejo duas claras vertentes na mensagem que o pobre cantor quer passar: uma educacional e outra informativa. Mas isto sou eu, que gastei um bocadinho do meu tempo a pensar, ainda era eu a feliz proprietária de todos os meus neurónios, isto é, antes de me obrigarem a ouvir aquilo.

A educacional: No final do vídeo desistem de ir atrás da moça, portanto o vídeo até desincentiva o que as senhoras da carta juram ser assédio e um claro incentivo à violência.

E a informativa: As mulheres, com o seu comportamento e na forma como assumem a emancipação -ou no caso, como não assumem- estão cada vez mais promiscuas e no entanto cada vez se ofendem mais com tudo o que lhes tilinte na alma como  violência a atentado aos seus "direitos".

Existe também a básica: não é por verem o clip que os matulões da noite vão começar a perseguir jovens donzelas feitos doidos. Até porque eles precisam é de fugir delas, acreditem em mim. mas esta além de básica, é óbvia.

 

Esta merda deste país começa a sufocar-me com tanta paneleirice, fartinha de ouvir esta merda desta música e não me sinto minimamente ofendida com a letra,  mas quando vou sair à noite com casais amigos, não sou eu a escolher o destino e calha a ser levada para sítios onde este tipo de música puxa pela bufunfa -coisa que faço com mestria ou não tivesse eu sangue africano a correr veias afora- sinto vergonha de ser mulher, as mulheres ofendem-me a essência, tal é a figura e os papéis a que se prestam. Elas próprias se humilham, perseguem os homens, assediam-nos, passo parte das noites boquiaberta com o que vejo e não me reconheço nas mulheres da minha era. Esta postura está certa porque parte de mulheres? Partindo de homens é perseguição e violação e beca beca? Há aqui alguém que está claramente em desvantagem e não, não é o "sexo fraco".

 

Entretanto a mesma senhora publica uma segunda carta, onde empunha vitoriosa, não só a retirada do vídeo como o merecido pedido de desculpa, num claro exercício de favorecimento ao feminismo de quem milita em facção oposta à liberdade.

 

Aconselhava a senhora das cartas abertas a dar uma boa vista de olhos a sítios como estes. Ou como outros, qualquer um, a noite anda um nojo.

Desconfio, isto é só uma desconfiança boba, não nos vamos agarrar a ela como se estivéssemos todos a cair, han?, que não fazia nenhuma carta aberta às mulheres.

E já agora aproveitava e dava um pezinho de dança.

Ao som de C4 Pedro. Charlie.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


23 comentários

Sem imagem de perfil

De Mirone a 16.02.2016 às 09:52

Aposto que já ninguém mais vai ouvir as músicas do Pedro. E de certeza que os concertos que agendou, se não foram cancelados entretanto, vão ficar às moscas.
Sem imagem de perfil

De Pipocante Irrelevante Delirante a 16.02.2016 às 10:35

Não tenho muito tempo para dissertar, por isso vou aderir à moda dos links:

http://www.reaxxion.com/8903/game-of-thrones-boycott-shows-how-feminists-lead-miserable-lives

http://time.com/3917236/game-of-thrones-woman-problem-feminism/

http://www.themarysue.com/we-will-no-longer-be-promoting-hbos-game-of-thrones/

it's just tv(?)
Imagem de perfil

De M.J. a 16.02.2016 às 10:41

acho as capazes de uma imbecilidade extrema.
aquilo nem tem nome de qualificação para além disso: imbecilidade.
Sem imagem de perfil

De Outro Ente a 16.02.2016 às 11:39

Este brilhante (bravo, MJ) comentário escrito por um homem...
Sem imagem de perfil

De Isa a 16.02.2016 às 11:42

Tenho estado aqui a tentar encontrar mais palavras que as que já te disse, mas vou mesmo ter que me repetir.
Li a letra, não percebi um cu, mas parece que aquilo transmite uma mensagem de acosso, ou imposição, por parte do homem. Não vi o vídeo, porque já tinha sido retirado. Li os comentários na página do artista, e se por um lado há quem diga que aquilo era muito mau, por outro há quem defenda que é preciso ver-se com olhos de ver e reparar que era exactamente o contrário, e que os tais "hábitos culturais" estavam ali a ser contrariados.
De qualquer forma, importa referir que concordo plenamente com a tua mensagem, aqui neste post. Ser-se emancipada, quanto a mim, não implica a assunção de comportamentos masculinos, que até são condenáveis por quem se diz emancipado, e são mesmo. Termos direitos iguais, não nos faz mudar de género. Muita mulher por aí, com atitudes perfeitamente devassas, comportamento promíscuo, escudada pela cena da emancipação. Se tudo isto passa por consciencialização, então consciencializemos. E, sobretudo, "nos". Eu quero esses direitos, e continuar a ser Mulher. Quero as minhas filhas a andarem na rua em segurança, quero que as olhem com o respeito que merecem, e quero, acima de tudo, que elas saibam que respeito, ganha-se, e que mesmo sendo, à nascença, um direito adquirido, é necessário que o saibam manter e e retribuir.

A linha feminista de cascar no homem e justificar a mulher com os direitos que tem - e tem, e sempre os deveria ter tido - passa a ideia de retaliação. Confunde. Cria revolta, nada de bom pode sair daí. A violência continua. Como o demonstrado no tal estudo sobre adolescentes e em muitos casos é aceite por elas. Um horror. Adolescentes, que acham perfeitamente natural a imposição de sexo, entre outros absurdos, e continua também em muitas casas, e nos crimes de que vamos tendo conhecimento. A confusão é necessária, faz parte da mudança. A renitência também, é uma cultura praticamente genética, essa a do eu quero, posso e mando, mas ninguém parece perguntar-se sobre onde é que se está a errar, para tudo aquilo continuar ainda em tão grande escala.

Por fim, termino com um Avé a todo o Homem já esclarecido e merecedor de ser chamado assim. Embora não sendo mais que o seu dever, é bom verificar que a meio de tanta confusão, a Luz chegou a alguém.

Sem imagem de perfil

De Be a 16.02.2016 às 12:46

Estou com a Isa, não percebi nada da música. Também não percebo muito bem "as capazes". Mas uma coisa é certa, o rapaz diz paulatinamente e nem é para rimar com nada.
Imagem de perfil

De Psicogata a 16.02.2016 às 12:16

Não vi o vídeo, não li as cartas e não tive paciência para ouvir a música (parabéns por teres) mas pelo que escreves dá para perceber que é só mais um absurdo que ganhou relevância à custa das redes sociais.
Tudo serve para protestar, depois quando existem situações importantes ninguém lhes liga porque passam por ser mais uma parvoíce.
Como a história do Pedro e do Lobo.
Não há paciência.
Sem imagem de perfil

De Luciana a 16.02.2016 às 12:16

Há dias vi um vídeo que era mesmo perfeito para aqui, mas não o consigo encontrar. Então vou-te dizer como é:
vai uma gaja com um decote até ao umbigo a passar na rua, quando um gajo pergunta não-sei-quê à gaja. Nisto ele olha para as mamas dela (tipo ali a saltar à vista não é?) e ela vai e dá-lhe alta chapadona por estar a olhar!
E ele vai e diz: se não querias que eu olhasse não as tivesses à mostra!

E agora digo eu:
Vem uma feminista e diz: uma mulher tem o direito de usar a roupa que quiser!!!!!
Sem imagem de perfil

De A Mais Picante a 16.02.2016 às 15:01

Engraçado... Aqui há um tempo atrás fui completamente trucidada por ter escrito isso mesmo, que se as mulheres não querem que lhes olhem para as mamas talvez fosse conveniente tapá-las.
Chamaram-me de tudo e mais alguma coisa, houve até quem dissesse que eu estava a justificar o assédio / violação com um "estava a pedi-las".
Não tenho paciência. Mesmo.
Sem imagem de perfil

De Pipocante Irrelevante Delirante a 16.02.2016 às 16:41

E tem.
Tal como os homens (e mulheres) têm o direito de olhar.
(acho eu)
Sem imagem de perfil

De Margarida a 16.02.2016 às 12:28

Não fosse ela filha de quem é e não tinha o tempo de antena ( e o tacho(?) que tem na TV).
Kizomba é poluição sonora e um insulto aos poucos neurónios que me restam...sinto que morre um cada vez que começam os acordes na rádio!
Sem imagem de perfil

De Me a 16.02.2016 às 12:44

Opa tenho mesmo de me tratar. Andava a leste disto...
Sem imagem de perfil

De Pipocante Irrelevante Delirante a 16.02.2016 às 14:24

O mais engraçado é estas pessoas acharem realmente que os "chavalos" (ainda se diz chavalos? Mecos? Bacanos?) que se acham no direito de perseguir e assediar miúdas na rua o vão deixar de fazer porque cortaram o pio ao rapper (rapper?).
Ou que aqueles que acham errado fazê-lo vão passar a atacar raparigas porque ficaram enfeitiçados pelos acordes.
Sim, porque há quem ache que isto funcione assim. Ou se calhar são demasiado sugestionáveis, e pensam que o Mundo é tão burro quanto ele(a)s.
Imagem de perfil

De Filipa a 16.02.2016 às 14:31

"Mecos"?..
Qué isto?

Exactamente.
Conforme alguém já o disse, da mesma forma que a pedofilia aumentou exponencialmente depois do lançamento de "Lolita".
Parecendo que não, isto anda tudo ligado.
Sem imagem de perfil

De Carla a 16.02.2016 às 15:57

Não vi o video, mas, a avaliar pela letra da musica, não é em nada diferente daquelas musicas lindas e maravilhosas que a sôdona Rita apresenta nos programas de domingo à tarde, em que as cantores, cantores e respetivas bailarinas, se apresentam com "toiletes" e coreagrafias de fazer corar muita profissional do sexo de vergonha. Já para não falar na falta de escruplos que todos estes pseudo apresentadores de televisão mostram ao aceitarem passar uma tarde inteirinha a "endrominar" velhinhas a ligar o 760 tal tal e tal... Enfim...

Comentar post


Pág. 1/2






Header gentil e adoravelmente cedido pela

Gaffe