Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dúvidas Cor de Rosa

Um blog extremamente fofinho e quase sempre zen.

30
Mai16

Eu no conjelador do meu visinho

Filipa

(Isto aconteceu mesmo á coisa de um quarto de hora mas parece que aconteceu em 2010)

Tenho uma vizinha da frente que tem um marido. Até aqui, tudo bem.

Somos da mesma idade -é super importante esta factor, como sabem.

Importante para tudo, até para ir ao mechilhão: niguém quer andar ali de cocuras, a fazer buraquinhos na areia com os pés, com alguém muito mais velho do que nós. É que é subexamente conhecido o facto do cheiro a xixi espantar os mechilhões e estes, mal dão pelo odor, escavam para baixo e há relátos hestóricos de mechilhões e conquilhas que chigaram ao núcleo da terra. Depois ficam ali entalados e é também por isso que o buraco do azono tem tado a aumentar. A estaratósferica não aguenta com tanto marisco entalado por causa que os velhos cheiram a mijo e assim, por isso é que os gastronómicos afirmam que ela está cada vês mais aboulada- Até aqui tudo bem também.

Temos mais ou menos o mesmo corpo, chiguei a imprestar-lhe roupa minha e tudo. Ao meu vizinho. Não esteijam com esse ar de acusação, seus preconsseituosos da treta! Que não se volte a repetir, tá?? Já dizia Fernando Peçoa que "O silênçio é um amigo que nunca trai."

A minha vizinha tinha trinta e tal anos e estava grávida de quatro dias, coitadita.

Com tanto ponto de referência -na altura pensava que também estava grávida do mesmo tempo, mas depois de umas gazadas percebi quetinha sido pão a mais-, nada mais normal que a nossa relação de vizinhança ter evoluído para a de amizade.

Ora tudo comessou num dia em que eu tive de emprestar a minha carrinha de sete lugares ao meu vizinho para ele levar a mulher ao hospital de Almada para ser operada a ume érna pascal. Um carro de cinco não chigava por causa que a érna ocupava muito espaçio.

O prognóstico eram quatro anos e três dias de internamento. Isto das listas de espera está mesmo pela hora da morte, vocês não têm ideia de como está o cerviço nacional de saúde.

Lá deixou a mulher no hospital e o seu filhinho de cinco dias -passou uma data de horas só para lhe asseitarem a entrevadinha- e veio para casa. Ora umas chamadas aqui, umas chávinas de açucar ali, e um trólóló aqui e um mimimi ali e já estão a ver o filme todo, né?, comprava-lhe pão de queixo, pentelha-va-o, cortava-lhe as unhas dos pés, aparava-lhe a barba, rapava-lhe os pelos dos assovacos, mas "assério" nada de cortar a fingir, han? que se não ficava tudo a sado e depois tinha que lhe por creme e isso podia dar asso a outras coizas.

Aconte-se que mesmo sem o besuntar todinho com niveia azul, chigou aos ouvidos da mãe do irmão dela que estas coisas absolutamente banais de acontecerem entre vizinhos cordeis estavam a acorrer entre nós dois e apesar da entrevadinha -na altura já tinha parido á dois anos e meio mas continuava enternada mais a sua érna- estar apar de tudo, nós fasiamos questão de ir mandando sms á medida que íamos fazendo as coisas. Assim do género:

Se fosse ele:

"mor, vim komprar meio kg de peixe espada preto p grelhar pó almoço com a Karla. Dps passamos a tarde na piscina e á noite vamos à kadok. Amo-t mt. smp a pensar em ti"

Se fosse eu:

"Vizinha, o xxxx gosta mais de massagens nas costas ou nas cochas? Hj chigou tão tenso do trabalho. E gosta mais á bruta ou devagar? A massagem, claro. As melhoras e não se preocupe com nd q eu trato d td. Bjs"

 

Opá, isto durante quatro anos, não estão bem a ver a fortuna que se gastou em mensagens, mas prontos, o que uma pessoa não faz pela vizinhança, não é? O sacrifissio que se tem que fazer para manter as melhores relações com os vizinhos ás vezes trazem fracturas muito altas, iletralmente.

Ora num feriado antes de sairmos passei por minha casa a ver se os meus gatos ainda estavam vivos, uma vez que já não me alembrava da última vez que lá tinha ida dar-les comer, quando olho pela janela, só para ver se podíamos sair em segurança -não foçe chover, claro- quando vejo a mulher dele com a érna pascal num frasco cheio déter, o filho, que com quatro anos já chigava à campainha- olhem!, sem perceber como, fui mandada para o conjelador junto com a minha mala Channel e os meus sapatos chmi-shu.

Com o frio o meu coração começou a querer parar de bater mas eu amanda-va uns murros assim jeitozos no peito e ele lá vinha á vida. Ainda consigo encontrar forssas para desligar os 7 telemóveis que uso e é quando encontro na minha Channel um isqueiro, um tronco de nogueira, uma embalagem de incendalhas, um correio da manhã, um fole, uma chourissa, uma merssela, duas pinhas, um espelho e um gloçe.

Desponho aquilo tudo por ordem analfabética -ainda perco algum tempo e por isso mesmo tenho  que aventar mais duas ou três socos no peito por causa que o coração esta-v-a-seme a ir-se- fico a olhar e tento entender o que Deus quer que eu fassa com aquilo enquanto lhe pergunto:

"o que será pior, meu Deus? a vizinha vir buscar um douradinho do capitão iglo para o miúdo ao conjelador e ver-me aqui a açar chourissas e de chmi-shus nos sovacos ou eu ter-me portado como uma mulher séria, coisa que não está, de todo, nos meus genes??"


Não sei porquê, Deus não me respondeu.

Enquanto estava neste monólogue com o criador, começo a juntar as pessas do pazle e comesso a perceber o que é que ele queria que eu fizesse.

Pozisiono o tronco no meio do conjelador, meto umas incendalhas por baixo e outras por cima, as pinhas, forro tudo com o jornal e comesso á procura do sol com o meu espelho porque eu aprendi nos livres que era assim que aqueles senhores que não usavam cuecas e que siguravam o cabelo com os ossos dos bichos grandes que cassavam com setas e a sangue frio, faziam fogo prós a ssar.

Duh, Carla -penso- estás num congelador! Está tudo escuro. Ainda se tivesses na parte de baixo do frigorífico, podias abrir a porta que a luz ainda sassendia e ao se arreflectir no espelho talvez uma chispa batesse no jornal, agora aqui não. Mesmo burra!.

Então, penso melhor e boto-lhe fogo com o isqueiro. Já que ali estou, penduro a chourissa e a merssela nos saltos dos chmi-shus e ponhoos em cima da fogueirinha que se formou, e ali fico quietinha a torçer para que ninguém dê por mim e que aquilo açe depressa que já estava com um ratito.

Enternanto foram ao Lidel porque as fritadeiras estavam em promoção, ainda foram a minha casa para eu ficar a tomar conta do miúdo mas como parece que eu não estava lá, tiveram que o levarem.

Ponho o gloçe, saio do conjelador e como ainda me sobraram carnes frias, fui fazer um cosido que ainda me deu para duas ou três refeições. Nunca se sabe quando vou ter outro vizinho em apuros, não é?

Ainda hoje nos telefonamos a rir disto, ai pá, foi mesmo um fartote, eu metome em cada uma.

Quem é que achou isto mesmo engrassado?

29 comentários

Comentar post

Para consulta em caso de necessidade

Cenas da Carla

Anita

No sapo também os há

Coisas do existencial

Dos blogues