Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dúvidas Cor de Rosa

Um blog extremamente fofinho e quase sempre zen.

16
Mai16

Eu, o meu cérebro e um muro no meio.

Filipa

Mal sabem vocês que vou tirar mais um curse.

Não perssebo mesmo porque é que não passo de uma mera empregada doméstica. Nos meus sonhos sou socióloga, mas já diz Prust que o sonho comandá vida, né?

Quer dizer, eu gostava de tirar, mas a Filipa diz para quê, mulher, pega lá mas é este esfregão e esta garrafinha de sonasól que o poliban precisa de ser esfregado. E eu arrezigueno-me porém não me comformo-me por causa que eu tenho capacidades congnunitivas para muito mais do que alimpar, esfregar e tirar pelos dos ralos das coisas. Farta de ralos na minha vida que pelos já não tenho. Felismente que a net me deu a conheçer coisas boas e a dora, daquela depilassão estranha, foi só uma delas. Vocês, que me apoiam e me carinham, são as outras todas. Em vez disso marcou-me uma consulta de psiquiatria. Diz ela que isto já é de mais, onde é que já se viu uma assalariada das limpesas com tanto estudo? Daqui a nada não avia dinheiro que me paga-se. Que com uns comprimidinhos e umas gotas isto ia ao lugar.

A primeira vez lá fui, a patroa manda, o passe tá pago, que remédio. Mas aviso já que não vou mais! Ela ainda não sabe, vocês já sabem como é que ela é. Um feitiuzinho deus pai, virgem nas alturas, niguém lhe pode dizer nada, escurraça logo as pessosa, ainda me escurraça a mim também, ou faz posts a gozar comigo e eu, como não tenho estofo para isso, ainda fexo o blog e acabasse o único escape que tenho na vida.

E não vou porquê? Porque na única vez que fui, chiguei ainda eram umas trêz da manhã e já haviam 250 pessoas á minha frente e eu pensei logo: foudasse, não vou chigar a tempo de ir à aula de psicologia animal. Sim, que eu vou lutar pelos meus sonhos. Já dizia Pavlov: "Matar o sonho é matar-mo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inespuguenavelmente nosso." á ali duas palavras que não percebo muito bem mas depois vejo nos livros.

Mas pronto, já que lá tava, lá fiquei. Acontece que quando olhei melhor estava lá a televisão, mais propriamente a cmtv e não sei quê e eu arrecuso-me a cenas de violência gratuita. Já dizia Piaget: "A violênssia, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota". É que nem toda a gente tem televisões daquelas com o visor gigante e com hd e era uma violênssia mostrar-lhes só partes de mim, tipo as minhas mamas ou a minha papada. É que isto pelas vistas das pessoas adentro ai jesus nem quero pensar nas idmnmndizassões nem nas aulas de braile que vos tinha de pagar para me continuarem a ler. 

E depois temos o cuesito copyright, que como toda a gente sabemos impede que as minhas belas imagens andem por aí assim, des protegidas e nas mãos do povo. Prefiro mesmo telas só aqui neste espassinho, longe das maldades da net.

Pronto, prometo que talvez amanhã vos brinde com uns joelhos ou com uns pés meus, mas só se prometerem que não partilham. Só os parvos é que não sabem que se protegerem as fotos, ninguém as pode partilhar, é potassente. E eu não sou parva nenhuma, mal voçês sabem que vou tirar outro curse.

Outro: já dizia Santo Agostinho dipona que foi o objectivo da minha segunda tese: “Do mesmo modo que aquele que fere ao outro fere a si próprio, aquele que cura, cura a si mesmo".

96 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Para consulta em caso de necessidade

Cenas da Carla

Anita

No sapo também os há

Coisas do existencial

Dos blogues