Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

i) ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel, ChaNel.

Boa?

 

ii) Dizer que se usa ChaNel nr. 5 para desenjoar de outro aroma igualmente intenso, é o mesmo que dizer ai, vou comer ali uma chispalhada para desenjoar esta feijoada que estava cá com uma classe que nem te digo nem te conto.

 

iii) parece que afinal o teatro não foi parido na Grécia. O ministério da administração interna lançou um comunicado a dizer que este nasceu no Egipto, com celebrações em honra de Faraó e sua divinização. Em letras pequeninas, daquelas difíceis de ler e que trazem sempre chatices apensas, dizem que regressando um pouco ao passado, mal começou o desenvolvimento do homem, nasceu o teatro primitivo que mais tarde evoluiu para danças miméticas.

 

iv) Os cientistas mais conceituados do mundo vêm finalmente esclarecer que não, não foram os romanos que inventaram a maquilhagem. Pedem inclusive cautela e caldos de galinha: parem de culpar os romanos por tudo o que acontece no mundo, ok? Só falta afirmarem que foram os romanos que inventaram o btt.

Um cientista em particular, o mais conceituado de todos -não me peçam nomes, bem basta o tempo que perdi a escrever esta merda toda- veio agora esclarecer que já na pré-história se usava maquilhagem em cultos e rituais. Os egípcios, alguns -poucos- anos antes de JC andar com a cruz dele às costas -amigo, todos temos a nossa, olha a minha...-, bombavam na make como gente grande e inventaram aquilo que para muita gente é o must have, o khol. Mais tarde é que estes grandes malucos trouxeram os cosméticos para a Europa e é aí que a Grécia entra.

 

v) O preço dos perfumes nos Duty Free já não são o que eram. Sobretudo com os descontos que as perfumarias agora passam a vida a fazer. Aliás, banalizaram de tal forma os 20% de desconto que o cliente já entra a perguntar por eles. Por isso podem contar com preços praticamente iguais. Bom, não é?

 

vi) não existe tal coisa como "casaco Channel". O que existe é isto:

 

"A história da jaqueta Chanel começou com a invenção do tailleur no início da década de 1950. Esta peça de roupa moderna, confortável, combinando elementos masculinos e femininos, foi a resposta de Gabrielle Chanel ao estilo da década de 1950, o qual ela considerava muito restrito e não adaptável para a vida das mulheres.

"Um tailleur Chanel é feito para uma mulher que se move", disse Gabrielle Chanel, acrescentando: "Eu realmente me preocupo com as mulheres e queria vestí-las com roupas que a fazem sentir-se se sintam à vontade, roupas que elas possam usar para dirigir um carro, mas que ainda enfatizem a feminilidade". Foi um sucesso imediato, e o tailleur junto com sua jaqueta se tornaram itens essenciais nos guardas-roupas das mulheres, o sinônimo de liberdade e elegância casual.
A jaqueta, usada com uma saia wrap-around, é única, inspirada nas tradicionais jaquetas masculinas austríacas. Esta jaqueta em tweed, um dos tecidos da assinatura de Mademoiselle Chanel, foi inventado como uma segunda pele: reta, estruturada, com fecho de borda a borda e sem ombreiras ou entretela rígida.

Para conciliar flexibilidade e caimento, a frente da jaqueta é cortada no tecido, sem traços no busto. A parte de trás é cortada da mesma maneira, simplesmente separada por uma costura no centro. Painéis laterais e verticais aderem à frente e à atrás. A manga, cortada no tecido, encontra o corpete na parte superior do ombro. É ligeiramente inclinada com traços no cotovelo para seguir a forma do braço para dar a facilidade de movimento e conforto. Para garantir a perfeita liberdade de movimento, Mademoiselle Chanel tirava as medidas dos seus clientes, com os braços cruzados e mãos apoiadas sobre ombros. O forro de seda da jaqueta é cortado com os mesmos critérios para garantir conforto.
A corrente delicadamente costurada na parte de baixo da jaqueta garante que ela tenha um caimento impecável. O aspecto gráfico é enfatizado pelo adorno (trança de gorgorão, malha, etc.) que define o contorno da jaqueta, as bordas dos bolsos e os punhos. Os bolsos são colocados para tornar fácil o ato de deslizar as mãos. O revestimento é feito com botões de bijoux - estampado com cabeça de leão (o signo astrológico de Mademoiselle Chanel era Leão), trigo, camélia ou o logotipo duplo C .

Reinventada a cada estação, a jaqueta tornou-se um dos elementos icônicos Chanel. "De verdade, a jaqueta Chanel é inspirada na jaqueta masculina tradicional austríaca. Coco Chanel inventou um tipo de roupa que não existia nesta forma exata e isso é uma conquista que ninguém pode tirar dela. É um dos símbolos que definem o estilo Chanel". Como Karl Lagerfeld disse: "No mundo da moda, algumas coisas nunca saem de moda: calça jeans, uma camisa branca e uma jaqueta Chanel".

 

Dizer casaco Channel é como dizer...sei lá...brunch composto de bifana com alho e em carcaça, uma média e uma café com cheirinho.

 

Não me fodam, pá. Estejam caladas, sejam poetas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


16 comentários

Imagem de perfil

De nervosomiudinho.blogs.sapo.pt a 10.02.2016 às 16:50

Aahhah, já corrigi essa barbárie num facebook alheio, e a pessoa ficou muito chateadinha. Até porque nem era chanel, era inspirado em mas mais em conta, que foi a explicação do n a mais
Sem imagem de perfil

De Teresa a 10.02.2016 às 17:28

Tem alguma coisa contra as "Teresas"? Respondeu a todos os comentários no post sobre o "Chanel 5 " e a mim não!!
Imagem de perfil

De Filipa a 10.02.2016 às 17:30

Ó meu Deus.
Como assim?
Esta minha cabeça velha e cansada só me deixa ficar mal.
Vou já lá ver.
Não me ligue, não foi por mal.
Sem imagem de perfil

De Teresa a 11.02.2016 às 17:25

Estava a brincar consigo, mas por coincidência não respondeu ao meu!! Farto-me de rir com os seus post e a sua ironia!!
Imagem de perfil

De Filipa a 11.02.2016 às 17:32

:))))))
Sem imagem de perfil

De Troll a 10.02.2016 às 17:42

Não ligues
Sem imagem de perfil

De Troll a 10.02.2016 às 18:54


Cada um com a sua.
Sem imagem de perfil

De Pipocante Irrelevante Delirante a 10.02.2016 às 19:17

Atenção, não confundir maquilhagem (aquilo que usam gajas, e gajos que queriam ser gajas) com camuflagem. Aquelas pinturas debaixo dos olhos e na testa, que o homem coloca antes de ir caçar uns javalis com uma besta (bés-ta), não conta como maquilhagem!!

E embora o homem primitivo praticasse a corrida ao fugir dos mamutes, foram comprovadamente os gregos que inventaram o running.
Imagem de perfil

De Filipa a 10.02.2016 às 19:22

Eu falei em btt.

E quem é que besunta a fronha para ir caçar uma merda de um Javali?
Até eu com os meus Louboutins, de cara lavada e acompanhada do meu Zé, trazia uma catrefada deles para casa.
Se tivessem sido as mulheres a tomarem a rédea desta merda toda logo desde o início, nada disto estava como está.
Sem imagem de perfil

De Isa a 10.02.2016 às 20:51

Olá. Vim aqui deixar a minha pegada comportamental, na medida em que me parece muito propositado. Por ti, claro, que pelos bitaites mandados blogosfera fora - capazes de fazerem Cleópatra dar 7 voltas no túmulo ,quem sabe até cortar relações com seu amado Júlio César e estragar, com essa desvio, todos os casos amorosos anotados na História - uma pessoa já não espera mais que aquele menos. Texto fantástico. Coco foi e é Coco, entranhe-se ou não o estilo, há que assumir-se o espírito. Tudo o que sai dali transpira detalhe, cuidado, elegância, griffe na sua verdadeira essência aquilo é sinónimo de Mulher com maiúscula - à sua semelhança - e vamos combinar que se movimentou num mundo, até então gerido exclusivamente por homens.

Posto isto, queria pedir-te que escrevesses, sei lá, digamos, sobre lobotomias. Tenho uma curiosidade imensa em verificar, só naquela, de que forma é que os inspirados pelas tuas temáticas desenvolverão o assunto. Assumirão as suas..?

Fica o suspense.

Sem mais e expectante de tuas notícias,

Isa, a coisa mai fofa qu'este mundo já viu.

Imagem de perfil

De Filipa a 10.02.2016 às 23:46

Sobre lobotomias?
'Xa cá ver...
Mas o que há mais a escrever para além do que é demonstrado?
Imagina que a criatura insiste na origem do teatro no Grécia!
Não vale a pena. Ali não entra nada nem com vaselina.

Além disso e como já disse no teu blog, tenho aqui umas fotos de umas mamas para ilustrar uns posts que tenho em mente sobre como esfregar tachos com dois esfregões velhos e gastos.

Tudo ao mesmo tempo não consigo.

Agora vou tratar da marmita.
Sem imagem de perfil

De Isa a 11.02.2016 às 00:21

Temos que perceber que há pessoas que gostam de tudo mais aconchegadinho, mais aqui por perto, à mão de semear. Por exemplo, enquanto civilizações, a Mesopotâmia que se foda. Ora agora. Séquérabom. Só o que faltava. Na. gregos e romanos, e ficamos por aqui.

Já o teatro, que realmente é conhecido como tal a partir da Grécia, não obstante, não teve a sua verdadeira raiz ali, mas sim acolá. O que é cagativo, porque a gente gosta é de tragédias, e lá tragédias é com os gregos. Olha o Syrisa, e vê lá se não tenho razão.

Já 'tá a marmita?
É que o Pipoco mais coiso também tem coisas a dizer sobre a Chanel.
E leite e ovomaltine. Não sei, não percebi, acho que está carente, vê lá se tens tempo pra ver daquilo.
Imagem de perfil

De Filipa a 11.02.2016 às 00:33

Sim, sim, que isto aqui até há atrasado so existia a Grécia e a Roma -com aqueles paneleirotes a lutar de tanguinhas- e a ilha da madeira com a suas bananeiras.
Depois veio um tipo não sei quê Ângelo e fez uns gatafunhos numa capela qualquer.
Acho que é isto, espero que não me esteja a escapar nada.
Ah, também foi nessa altura que construíram o coliseu. Foi lá que assisti ao concerto do Martinho da Vila. Foi giro mas as cadeiras não davam muito jeito para a malta dançar, uma chatice.

Ovomaltine? Qué essa merda?
Então aquele tipo cheio de paneleirices com os charutos não sei de onde, vinhos com nomes reais, férias em cabaninhas aqui e ali, viagens em aviões exclusivos com destinos xpto e agora desdenha de marcas?
Sabes que mais?
Tudo pró caralho, fartinha que me baralhem as ideias.
Sem imagem de perfil

De Isa a 11.02.2016 às 00:55

Estás a ir bem sobre o canal História se te escapou alguma coisa, é porque é coisa despicienda, não te rales com isso. Também o que interessa quem fez o quê, né? Foi há milénios, e gente tem é que viver o hoje.

Olha que o Pips pode não estar a desdenhar das coisas, ok?
Aquilo pode ser só ele a dizer que existe e tem saudades da infância. Falou de Chanel como podia ter falado do Ken, pá, há pessoas assim, cujo mistério não é alcançável por
almas mais simples como as nossas. Quem sabe o significado do ovomaltine, numa mente tão cheia de conhecimento, e ainda assim tão voraz dele? Vais ver que aquilo foi uma analogia mega profunda, na linha Aristóteles. Aguardemos. Daqui por uns 5 posts, ele é capaz de levantar o véu.



Imagem de perfil

De Filipa a 11.02.2016 às 01:04

Aquilo é mas é para as gajas irem lá dizer que sim senhor, as coisas são como são e o tio pipoco é esperto que nem um alho.

Não estou a ver o que mais possa ser.
Sem imagem de perfil

De Isa a 11.02.2016 às 01:13

Atão, mas atão né... há quem tome comprimidos pra dormir, e há quem seja contra os químicos, e pró Pipoco.
É justo.

Comentar post






Header gentil e adoravelmente cedido pela

Gaffe