Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dúvidas Cor de Rosa

Um blog extremamente fofinho e quase sempre zen.

05
Abr16

Posso? Espero não tar a incomodar...

Filipa

Queria só comprimentar-vos. Prometo ser breve que vem aí mais uma onda de bichos que nem é bom.

 

Olá.
Sou a Sandra, a empregada doméstica da Filipa.

Neste momento estou um bocadinho revoltada com ela e só me apetece partir o telemóvel de trabalho que ela me deu, o computador que ela me deu -para eu ir comentando e participando neste blog, enquanto trabalho- penso inclusiver deixar de ir aos jantares dos dias das mulheres, dos dias dos avós, dos dias dos pais, dos dias das árvores e dos dias de tudo que ela me costuma levar-me.
Não, sou empregada doméstica, não sou a sua assistente e se ela continua a bater na mesma pedra, juro que lhe amando com o lixo para debaixo dos tapetes e lhe esfolo a merda do gato, quem é que consegue viver com tanto bicho, sabem lá os sacrificios que eu fiz por aquela mulher, sempre ali do batente, a esfregar, a varrer, às vezes chigava perto do seu computador -antes de ela me dar este. No fundo ajudou-me imenso, não tenho o que reclamar- para o limpar melhor e tal, e via o seu blog no ecran, e enquanto limpava entre as teclas caquilo era só maquilhagem e pelos das merdas dos cães, o cursor andava para cima e para baixo e então calhava ler assim muito dearrelance os seus segredo e nunca, han?, nunca me chibei a ninguém, nunca, han?, nunca disse a ninguém que ela não tem caracóis nem dentes assim tão certinhos como quer mostrar e é esta paga que eu recebo?

Não está certo. 
Não está! 

PORQUÊ??

Então não é que esta malagradecida, esta individua vai mudar de casa e não me quer pagar o passe??

Vai morar para o Porto e diz que as viagens diárias que agora vou passar a fazer, de Sintra até lá e de lá até Sintra, vão ter de sair do meu bolso! Estou desaustinada, turbinada, possuída, são 660 km diários, ida e volta, né?, o mínimo que ela devia fazer por mim era pagar-me pelo menos o passe do comboio aqui de Sintra até à Gare do Oriente que depois eu lá orientava-me. Uma coisa assim fifti-fifti, tão a ver? 

Mas não, diz que não paga, porque no contrato não sei quê.

A gente temos sentimentos, bolas. Sinto-me apunhetada e pelas costas!

Se ao menos o meu Zeca tivesse um Ford Escort com a centralina toda kitada, chigava lá num instante, ainda lhe ia ao talho comprar os torresmos que ela tanto gosta, aquela gorda* de merda, assim era o vais!

Come merda.

 

 

 

 

 

 

 

 

*na realidade ela não é assim tããããããão gorda. 

É uma mulher normal, veste bem, arranja-se e às vezes até faz maratonas com o marido.

Não sei como, cagaja tem uma perna de pau, mas tá bem.

A fit da merda.

 

37 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Para consulta em caso de necessidade

Cenas da Carla

Anita

No sapo também os há

Coisas do existencial

Dos blogues