Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Professores e contínuos? Adoro-os!

por Filipa, em 10.03.15

Um dos meus sobrinhos tem actividades extra-curriculares às Segundas à tarde, em forma de andebol, após as aulas. Almoça na escola e tem cartão que só o deixa sair da escola depois das aulas. Ora, na semana passada bateu-lhe na marmita ir almoçar fora. Eu compreendo-o, também eu gosto de ir almoçar fora, olá se gosto, o que não compreendo é o que se passou a seguir. Portanto, o puto saiu da escola, foi encher o bandulho e voltou para a tal actividadezinha paneleira mas que pronto. Correu bem, mas podia não ter corrido e quem é pai/mãe não gosta de viver de possibilidades. Ligaram para o meu irmão, depois de isto se passar e parece que a saída é sempre possível, uma vez que as actividades extra-curriculares não são contempladas com o merdoso sistema de cartões. Quem agiu mal foi o aluno que saiu sem poder, a escola não aguenta, a escola não tem pessoal, a escola não consegue, a escola não se pode responsabilizar por tanta gente, ó foda-se!, então estes merdas servem para quê?

Temos assim uma escola que se descarta das suas responsabilidades com uma desculpa de merda e uns pais que têm de aprender a alhear-se do facto dos seus filhos poderem não estar em segurança enquanto estão na escola, porque uma coisa são as aulas, outras são actividades e deus nos livre de as confundir.

Autoria e outros dados (tags, etc)


9 comentários

Sem imagem de perfil

De quiescente a 10.03.2015 às 13:39

Felizmente passei pela escola numa época com poucas ameaças externas. Podia sair para grandes passeios e regressar, comprar videojogos pirata no centro comercial, fazer a merenda no fantástico jardim nas traseiras da escola. Hoje em dia seria um risco tremendo.
Imagem de perfil

De Filipa a 10.03.2015 às 15:10

Exacto.
A escola acha que o aluno deve estar por sua conta e risco porque desobedeceu.
Só à chapada àquelas putas todas e era pouco.
Sem imagem de perfil

De NM a 10.03.2015 às 20:50

A culpa é do miúdo, pois então. Depois do miúdo, a culpa é do sistema. Depois do miúdo e do sistema a culpa é do São Pedro. Mania de implicar Filipa Brás...
Sem imagem de perfil

De Troll a 10.03.2015 às 20:51

"então estes merdas servem para quê?"
servem para se responsabilizar por mil e outras coisas (de que nem faz ideia) que dizem respeito a um sem número de alunos. Os pais/encarregados de educação só têm que se responsabilizar pelos seus próprios filhos/educandos e saber (porque essa informação não é sonegada a ninguém) que a "merda" do cartão tem várias hipóteses de configuração e são eles que têm que a decidir!
Imagem de perfil

De Filipa a 10.03.2015 às 21:37

"(...) uma vez que as actividades extra-curriculares não são contempladas com o merdoso sistema de cartões (...)"

Não estou com paciência para mais.
Sem imagem de perfil

De Luciana a 12.03.2015 às 08:08

O andebol é uma atividadezinha paneleira? Se calhar, o puto estaria melhor em casa, a escrever num blog, não? Ou agarrado ao Facebook.
A escola ligou ao seu irmão, a dar-lhe conta do sucedido. Poderia não o ter feito, uma vez que, como diz, até correu bem. Mas ligou. E a culpa do garoto ter desobedecido é da escola, claro está. Nunca, jamais, do miúdo, coitadinho que, apesar de saber que não poderia sair, o fez.
Continue a desresponsabilizá-lo e a culpar aquelas "putas" todas... Está no bom caminho.

P.S. - sou professora e gosto de a ler. É a 1ª vez que comento.
Sem imagem de perfil

De Filipa Brás a 12.03.2015 às 14:43

Sra Professora, que gosto que é tê-la por cá!

Bom, em primeiro lugar, putas serão sempre putas, mesmo que não cumpram com primor as suas funções. Maneiras que o conceito é extensível a toda e qualquer outra profissão. Resumi-la às funcionárias de uma escola, seria demasiado redutor.
Depois ninguém desresponsabilizou o miúdo, pelo contrário. Não podemos é assistir à escola a querer tirar o time de campo e a querer que o puto arque com a culpa toda, pois está claro que não.
A culpa é também da escola, sim, mesmo que a Sra professora não queira, a puta da vida é mesmo uma tragédia, injusta que só ela. Os pais têm sim o direito de estarem descansados enquanto os filhos estão na escola. Ele sabe que não pode sair. Saiu. Está de castigo. A escola sabe que não devia tê-lo deixado sair. Deixou. Agora? Pá, agora vamos deixar passar a greve de amanhã, Sexta-feira, que as greves funcionam mesmo bem é às Sextas, não despiciendo, às Segundas também é porreiro, e depois pensemos nisso.
Com carinho.
Sem imagem de perfil

De Luciana a 13.03.2015 às 00:00

Olhe que a greve não é dos professores... é da função pública. Além disso, é um direito.
Para que conste, eu não faço esta. Greves, agora, não levam a nada. E, quando fiz, fiquei na escola, a trabalhar noutras coisas. Não fui passear, nem fui às compras, nem me virei a limpar a casa. Fiquei lá e só não fui dar as aulas.
Não disse que a escola não tinha culpa no caso do seu sobrinho - tem. Mas presumi (pelos vistos, mal) que o garoto tinha ficado impune. Mea culpa. Há muito disso, sabe? Há encarregados de educação que defendem as crias a todo o custo, tenham ou não razão. É complicado. Se soubesse de algumas situações...
Garanto-lhe que a escola tem muitas coisas boas. Trabalho numa pública, dou aulas há quase 20 anos e, olhe, continuo a gostar de o fazer.

Sem imagem de perfil

De SR a 12.03.2015 às 12:00

A escola no geral nunca tem culpa de nada, ora porque não tem meios ou outra coisa qualquer. O meu filho partiu a perna na aula de ginástica às 16h e quem o levou ao médico fui eu às 18h, se alguém me ligou a dizer que o menino de 10 anos estava mal, não não ligou. O meu filho não se magoou no recreio e sim no meio da aula e ninguém fez porra nenhuma. Quando no dia seguinte apresentei as contas do hospital, ainda tiveram a lata de dizer que o seguro não pagava hospital privado.
Ai não que não pagam, até a casa vem abaixo.
Mas, tudo bem o cartão funciona, quando a funcionária está no seu posto e não a fumar o cigarrito à porta da escola.
Lá está eu é que sou má e sou sempre do contra, ou será que não?

Comentar post






Header gentil e adoravelmente cedido pela

Gaffe