Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A Luna, ai a Luna.

por Filipa, em 20.09.14




Aqui estamos nós, eu e a minha Luna de cor cinzenta. E cinzenta porquê, Filipa, se há cores tão mais girly? Porque o meu gajo é um parvalhão, comprou-me a bicha numa viagem que fez, ainda esta não existia em Portugal, e decidiu que o cinzento seria a cor que eu mais gostaria. Gajos, enfim.
Deixem-me primeiro explicar, assim ao de leve, do que se trata esta fofinha mais linda. 
É uma máquina de limpeza facial que canaliza duas pulsações T-sónicas para uma limpeza profunda e, não obstante, suave, e pulsações de baixa frequência com vista a promover a redução dos sinais de envelhecimento, tudo de bom, como podem ver. A versão mini, ao contrário do que já li, não é uma versão compacta, de viagem, da Luna. A Luna Mini destina-se, apenas e só, à limpeza, ao contrário da Luna, que comporta a vertente tratamento, que soma à referida limpeza, um dois em um, portanto. As pulsações são canalizadas para a pele por pontos de contacto de silicone que, epá, estes gajos pensam mesmo em tudo, não precisam de ser substituídos, não se danificam, não há lugar para o aparecimento de bactérias, uma vez que o silicone não é poroso e a pele, no final do terceiro dia de utilização, parece realmente outra. A superfície anti-envelhecimento do lado oposto ao da limpeza, é constituído por uma série de ondas concêntricas de silicone que reduzem a aparência de linhas finas e rugas e promove uma pele mais elástica e firme. Remove células mortas, essas grandes cabras, desobstrui poros enquanto melhora a absorção dos subsequentes produtos de limpeza, se podia ser mais completa? Até podia, mas acho que não conseguiriam produzir um Pedro Teixeira para cada máquina. A acrescentar aqui a óbvia garantia de dois anos.
Quando recebi a minha Luna Mini, fui pesquisar e fiquei de olho na Luna, a que tem a face de tratamento. Claro que quando chegou a Portugal a fui logo buscar e não podia estar mais contente (lá está; até podia, mas só há um Pedro T...pronto, tá bem, eu calo-me com isto). Existe uma Luna específica para homem, em preto que eles são muito preocupados com estes pormenores que parece que colocam em causa a sua extrema virilidade, que facilita o barbear e a sensibilidade que este provoca, evita o aparecimento de inflamações causadas pela agressão e deixa a pele macia e limpa.
Acham pouco? Não quero que vos falte nada. As vibrações que emite resulta numa massagem extremamente relaxante, cabe em qualquer espacinho livre, pesa tanto quanto a pasta dos dentes, é agradável ao toque, anatomicamente genial, de limpeza fácil, é à prova de água, precisa de ser carregada quando o rei faz anos, um minuto de utilização para uma limpeza per-fei-ta (no caso da Luna um minuto para limpar+um minuto para o tratamento) e só lhe falta um six pack à lá Pedro Teixeira para ser mesmo, mesmo perfeita. Pronto, ok, é perfeita assim mesmo.
Ah e não sei quê, não tenho pachorra para isso, sou bué activa, sem tempo útil para perder com cenas dessas. Desenganem-se. Quando verificarem as mudanças na vossa pele, de dia para dia, não vão querer outra coisa, chega a ser viciante, e estamos a falar de um minuto, por Deus!, se têm muito mais para ler blogues de merda, não vão ter um para usar esta maravilha da tecnologia ao dispor da vossa beleza, porque carga de água? 
Ah e não sei quê, então mas é só coisas a favor?, é que assim a malta desconfia e tal. Calma, suas desenfreadas, eu explico, não é que seja um ponto contra, mas é coisinha para algumas de vós colocar o pé no travão do consumismo que vos está a deixar inquietas; o preço. A Luna mini ronda os 100 euros e a Luna os 150. Acho. No campo das mais resistentes, para umas será incomportável, para outras, inadmissível. Eu encarei a compra como um investimento. Não me pareceu nada absurdo, é uma questão de prioridades. Não ligo a sapatos, não ligo a jóias. Gosto de cosmética, gosto de tratar de mim, maneiras que não me chocou o valor. 
Ah e não sei quê, e fotos do antes e do depois, que o pessoal assim não acredita?
Não queríeis mais nada, não?

(e era neste post que ia usar um selo de aprovação, daqueles à séria, que só algo de muito bom realmente merece. Algo capaz de me arrebatar e deixar de perna bamba. Algo em que acredito e decido passar, pela primeira vez na história deste blog, a palavra, mas desta vez em sério. Não está cá, pois não? Talvez esta criatura vos consiga explicar porquê) 

Autoria e outros dados (tags, etc)





Header gentil e adoravelmente cedido pela

Gaffe