Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Da nanny e das ofendidas do costume.

por Filipa, em 22.01.18

Dois episódios vistos e continuo sem perceber qual é o big deal, onde é que o programa é diferente dos blogues cujas autoras não se inibem em mostrar-nos as fotos dos filhos, das novelas onde os putos trabalham, dos anúncios idem, porque é que o programa passou a ser o motivo das vossas lutas e qual o critério de o priorizarem em relação a tanta merda que se passa por este país afora, muito mais urgente e grave mas que toda a gente finge que não, o contentamento que sentem por uma marca sem tomates ter deixado de patrocinar o programa -não fossem as mãezinhas conas de unto deixar de comprar os seus produtos fantásticos- que bateu, mais uma vez recordes de audiência graças à vossa indignação, em que é que o episódio de ontem, por exemplo, vai afectar a vida da adolescente quando chegar à escola, ou eu ando a falhar muito enquanto mãe -sim, há muito que tenho o sofá para pensar- ou vocês só estão mesmo bem a foder a cabeça aos outros.

Autoria e outros dados (tags, etc)


51 comentários

Sem imagem de perfil

De ... a 22.01.2018 às 15:53

Simples: porque 99,9% dos blogues mostram, em 99,9% dos seus posts o lado bonito e tranquilo dos filhos. Expôr o bom? A toda a hora. Expôr as birras e os gritos e os choros e os conflitos? 'Tá qu'eto. Isso é entrar na intimidade das crianças. 
Right.
Imagem de perfil

De Filipa a 22.01.2018 às 16:14

Só é exposição aquilo que se teima em esconder.
Faz sentido, né?
Sem imagem de perfil

De ... a 22.01.2018 às 18:30

That's my point. ;)
Sem imagem de perfil

De Troll a 22.01.2018 às 16:11


Lá está, Filipa: mulher sofre!
São as tais vicissitudes da existência feminina que lhes amarguram a vida, esses programas para os quais têm de tomar posição e, brava e acesamente lutarem por ela.
Já para nós, machos alfa, tipo Sansão do Tanganica, é tudo incomparavelmente mais fácil, ou mais difícil dependendo da cor, carregar o fardo dos pecados do mundo pois bastam-nos as pelejas denodamente travadas propiciadas pelo Bruno de Carvalho, - abençoado seja, - através do seu Facebook.
Imagem de perfil

De Filipa a 22.01.2018 às 16:13

AHahahhahaha
Realmente, olha que ser homem não deve ser nada fácil!
Imagem de perfil

De Corvo a 22.01.2018 às 16:13

Obviamente esse anónimo sou eu, que, desastrado, esqueci de me registar.
Sem imagem de perfil

De Isa a 22.01.2018 às 16:49

Penso exactamente o mesmo que tu. Vi o episódio de ontem e continuo a não ver direitos nenhum molestado, acho  o pessoal das filinhas pirilau uma boa merdunça, penso que a Corine de Farme não os tem no sítio, penso mesmo que é preciso alguém  ser uma boa merda pra se estar a vangloriar de, devido às criticas por si incentivadas e deixadas  na página da marca, feitas por meia dúzia de enconadas, o patrocínio ter sido retirado ao programa e fazer-se disso um tipo de vitória - embora o programa continue no ar, enquanto no ar fica também o odor de quem não gosta de perder nem a feijões - mas perdeu, isso e  o que nunca sequer teve, pra começo de conversa: razão para aquele disparate todo.  
Imagem de perfil

De Filipa a 22.01.2018 às 16:51

Aqui para nós que ninguém nos ouve, sobretudo as capazes, isto não passa de falta de meias para coser.
Sem imagem de perfil

De Isa a 22.01.2018 às 17:13

Ou de onde encontrar problemas realmente complexos em as suas intervenções possam ser efectivamente propositadas, de jeito a que possam dormir sogatitos, convictos de serem  seres muito intervenientes no âmbito social que conhecem, e sentirem a auréola de benfeitores a crescer-lhes, enquanto dormem. 
  
Sem imagem de perfil

De Troll a 22.01.2018 às 23:14

Há qualquer coisa de errado com aquelas mulherzinhas que foram destilar o veneno do costume da pagina do EX-patrocinador, que será?
Na verdade, por muito que custe a admitir vi birras que me fizeram lembrar o meu afilhado, neste último programa :(
Imagem de perfil

De Filipa a 22.01.2018 às 23:20

Acabei de ver no Facebook do Quadripolaridades uma publicação onde metia no mesmo saco este programa com violência doméstica, mutilação genital feminina e tourada.


Eu não sei lidar com merdas destas, haverá uma SuperNanny para pessoas da minha idade que perceba destas incapacidades?
Imagem de perfil

De Quarentona a 23.01.2018 às 08:26

Desculpa lá, Filipa, mas está tudo doido?! Desde quando é que se desculpa um erro com outro erro?! Ah e tal, estamos numa época em que tudo se expõe... pois sim, e eu pergunto, sujeitavam os vossos filhos àquela merda? Eu não, com toda a certeza! E vejam que estou completamente à vontade para falar, já que o puto com 11 anos me proibiu expressamente de colocar qualquer foto dele no meu Facebook, coisa a que obedeço sem questionar por ser tão óbvio!
Imagem de perfil

De Filipa a 23.01.2018 às 08:58

Quanto aoa outros, não posso garantir mas eu não estou doida.
Ainda.
Em lado nenhum me viste do lado do programa. Apenas não compreendo toda esta exaltação quando merdas destas acontecem todos oa dias e todaa gente acha o máximo. 
Pior.
Todos os dias putos servem como negócio e ninguém quer saber.
Está tudo indognado porquê? Porque dá na tv? Porque mostra o lado menos bonito da vida? Como dizia ontem umas das entendidas porque no futuro a criança pode deprimir por não gostar de se ver naquelas figuras? No meu tempo havia um antidepressivo fantástico, pena que esteja a descontinuar: chinelo no lombo.
Imagem de perfil

De Raquel a 23.01.2018 às 09:16

Nem mais! Chinelo é que faz falta!
Imagem de perfil

De Quarentona a 23.01.2018 às 09:51

Não sei porque te espantas se essa gente se indigna por partir uma unha... :))))
Sem imagem de perfil

De Isa a 23.01.2018 às 10:48

Estamos aqui com uma dificuldadezita em compreender que não se pretende desculpar nada. Está tudo mal. O que incomoda são as variantes daquele "tudo". Porquê este repúdio tão veemente enquanto ao televisionamento de uma criança a fazer birras, versus a passividade da mesma exploração/exposição de outra, sentadinha num qualquer jardim, vestida com o vestido da loja X à qual a criatura está a fazer publicidade e não sabe,  que decorre há um colhão de tempo e é inclusivamente aplaudida pelas mesmas gentes que apontam o dedo à outra, que se mostra exactamente como ela é e procede, em situações que mexem lá com os seus humores. Uma é televionada no seu habitat, onde se sente à vontade pra extravazar cenas, outra é fotografada, quer queira quer não, muito enfeitadinha, quer queira quer não, ambas para fins comerciais, mesmo que pareça que  os pais de umas tenham autorizado aquilo por desespero, e os de outras, por seja lá o que for que entendam estar-lhes a apetecer fazer com os benefícios monetários provenientes da publicidade.  
Por onde é que anda a protecção do não sei quê de menores, quanto ao último caso. E o não sei quê dos advogados, e mais as outras entas não sei quê que se pronunciaram em relação ao programa, puxando galões ao que as não sei quê que representam, pensam. Hum? Onde é que andam? Qué deles, quando é pra se falar de "direitos das crianças" na sua verdadeira acepção? E a gaja do Quadripolaridades, que é psicóloga ou o caralho, porque nunca se pronunciou quanto à exposição perpretada pelas suas colegas bloggers? Em que disciplina do curso aprendeu essa diferenciação, ou qual é o princípio de que se parte, pra se determinar que as crianças do programa sofrerão eventualmente de bullying, e as das fotos não? Porque umas são mostradas a portarem-se em toda a sua genuinidade, enquanto outras são fotografadas em modo florzinha, e no primeiro caso a criança é "exposta" na parte chata das crianças, enquanto as outras, a exposição só deve ser mesmo muito chata é prá criança. Será?
Em que raio de merda de cultura vivemos nós, que quando se mostra algo como realmente é, se aponta o dedo, acusa, e inclusivamente se patrocina o tal bullying devido às éne conversas de merda havidas na presença de crianças, que depois vão prás escolas reproduzir o que ouviram em casa, mas depois vão comprar o sapatinho, ou as calças ou o gorro ou a puta que os pariu, que viram na filha/o da blogger Y, e é tão giro, fica-lhe tão bem, a/o miúda/o é mesmo amorosa/o. E fotogénica/o! 

Dasse!


Sem imagem de perfil

De Isa a 23.01.2018 às 11:08

*Extravasar (por acaso acho mesmo que havia de ser com um z, fica muito mais giro)
 e Perpetrada


Para já e se não estou em erro.  
Imagem de perfil

De Quarentona a 23.01.2018 às 11:11

Ó Isa, não há dificuldade nenhuma, repara que não me vês também a defender esse tipo de exposição, não sigo esse tipo de blogs e abomino todos os programas televisivos com criancinhas a agir como se estivessem num circo. Também acho uma hipocrisia aqueles que expõem os filhos de uma forma mais “light” virem agora gritar raios e coriscos contra a Super Nanny, mas caramba, acho que a discussão está a fugir do essencial, é só isso.
Imagem de perfil

De Filipa a 23.01.2018 às 13:38

Mas o essencial é mesmo isto!!!
Isto e a cpcj gostar de estar no meio da discórdia e agir por causa disso mesmo, e fechar os olhos ao que não dá conversa.
Sem imagem de perfil

De Isa a 23.01.2018 às 14:33

Discordo, Quarentona. Penso que se quisermos discutir realmente o essencial, há que se pôr tudo em cima da mesa e não focarmo-nos no recente porque mostra o lado desengraçado de uma criança, e mexe imenso com as sensibilidades  de tanto povo,  vá-se lá saber porquê. (Não é que não tenham explicado os porquês, eu é que não os aceito por me soarem a perfeita merda, devido à hipocrisia que os reveste). 
Com a minha não mexeu, como já to disse e repito. De todas as exposições que já vi de crianças, aquela até me pareceu a mais didáctica de todas. Talvez porque embora a sua vertente comercial, não me tenha fixado no ambiente onde as coisas se passam, mas na tentativa de se tornar um ambiente tumultuoso, num mais agradável, para além de saber perfeitamente ser aquela a realidade de tantos e tantos pais. Ter, enfim, ponta por onde se pegue, partindo do princípio que há quem dali retire algo de positivo, em oposição às outras exposições, de onde acredito que o que se retira se limita a dinheiro. 
Nenhuma criança é sempre tão bonita e tão bem comportada como as que são usadas pra publicidade, nenhuma criança é sempre feliz, ou nenhuma criança anda sempre tão bem vestida. Isso é uma fábrica de ilusões para o adulto.   
 Posto isto, o que me choca verdadeiramente é a perfeita prostituição de valores de quem se diz defensor dos tais direitos, e de quem, contudo,  nunca se leu um piu sobre essas outras situações. Porque a luta seria bem maior, bem mais pesada, bem mais doída, bem mais controversa, bem mais trabalhosa, e seria, em suma, coisa pra abarcar um par de tomates muito maior do que o que se lhes percebe. Se neste mundinho de caca eu tivesse que optar por uma ou outra exposição, garanto-te que optaria, muito definitivamente, pela do tal programa. 
Mas como sou mesmo maluca e me estou realmente cagando pra gritos histéricos, cujo intuito me parece direccionar-se mais para egos, cursos, e os duelos de razões neles alicerçados, prefiro preocupar-me com os exemplos que a Kyna diz, ou nos outros, ainda piores, que são do nosso conhecimento e népia de discussões. Este, é um não-assunto, é uma não-discussão, é um escrever à toa, falar por falar, é dizer que a malta existe e pronto, nada mais.  
E pá, não estou a falar de ti, ou de mim, do que fazemos ou deixamos de fazer.  Desde sempre me referi a esta bosta tentando uma visão abrangente, de forma a tentar expor a porcaria que somos, e que entendo estar bem patente neste caso em particular. 


Um  blog virado pra acções sociais não me garante o direito de me considerar alguém em posição de julgar e aniquilar com deteminado programa, levando por arrasto os seus intervenientes. Pelo contrário, havia de me levar a considerar muito bem todos os efeitos colaterais provenientes da minha eventual reclamação, bem como ter em conta todos os casos cabíveis nela, e  concluir que talvez apelando à ponderação de todos eles obtivesse  melhores resultados. 
Sem imagem de perfil

De ladykina a 23.01.2018 às 12:13

E os filhos que são devolvidos pelos pais que os adoptaram? assim mesmo, devolvidos? E aquilo de usar a fotografia de uma criança morta para promover parangonas da mais variada índole? E... OH.
Imagem de perfil

De Filipa a 23.01.2018 às 13:41

Ninguém me contou.
Tenho uma conhecida cuja nora não podia ter filhos. Adoptou uma menina que foi devolver pois não eram compatíveis. 
Tive de a mandar pró caralho, pois então. 
Parece que entretanto trouxe outra e até ver está tudo certo.
Até ver.


Mil vezes o programa da sic.
Sem imagem de perfil

De Troll a 26.01.2018 às 00:22

Como é que se devolve uma criança???? Como é que deixam voltar a adoptar???
Imagem de perfil

De Filipa a 26.01.2018 às 10:12

Exactamente o que perguntei. 
Sem imagem de perfil

De ladykina a 23.01.2018 às 12:15

(e aquele também programa televisivo das crianças transformadas em misses ou lá que caralho é aquilo?)
Sem imagem de perfil

De Isa a 23.01.2018 às 14:54

Já passou cá..? É que se não passou cá parece que não conta.
(Para além de que uma miss é sempre bonita, né? Pois. E não faz birras em directo) 
  
Imagem de perfil

De Filipa a 23.01.2018 às 14:57

Acho que existe há mais de 30 anos lá fora e é um sucesso.
Sem imagem de perfil

De ladykina a 23.01.2018 às 17:06

Pá, é uma coisa bonita - a criançada é incentivada pelos progenitores a desejarem muito ser os mais Belos, segundo lá uns critérios quaisquer, sendo que na demanda da concretização desse Sonho vale tudo, até arrancar olhos, e é tudo muito legítimo porque a concorrência é uma coisa saudável e imprescindível ao sucesso. Então evidenciam-se em atitudes e comportamentos valores como o ódio e a inveja, a ganância, desprezo, arrogância, e afins enrijessadores de carácter.  
Dei uma vez com aquilo a meio de um zapping e juro que tive de ir googlar para ter a certeza que não fora uma alucinação e que tinha percebido o que aquilo era... 
Imagem de perfil

De Quarentona a 23.01.2018 às 15:44

Ó porra! Às vezes sinto que não sei escrever português. Sim, sim, só quem é ceguinho e/ou completamente anormal é que não vê que todos os dias há atropelos e casos há de verdadeiros atropelamentos com direito a desmembramento e tudo aos direitos das crianças. Sempre assim foi e sempre assim será num mundo comandado por adultos, é uma condição sine qua non, nada a fazer! Não vamos agora armarmo-nos todas em misses universos e desejar a paz no mundo, pois não? O que eu questiono é qual a necessidade de fazer da educação, ou domação de uma criança porque é o que mais parece, um espetáculo televisivo, porque é disso que se trata? Para quê? Para os outros pais aprenderem no conforto do seu sofá como se faz? Eh pá, não me lixem e em vez de ficarem a aprender pela telescola da Santa SIC da Misericórdia, vão a um especialista, paguem a consulta e resolvam o problema! Mas, gaita, isso não dá dinheiro aos acionistas da SIC, não é verdade? Uma merda, é o que dá!
Imagem de perfil

De Filipa a 23.01.2018 às 15:49

Sabes que estes últimos  pais -os outros não me lembro- foram muito claros: já tinham ido a todo o lado e nada.


Contudo, repito, não estou a favor do programa, estou é contra toda esta pseudo indignação e contra tudo o que diga respeito à exposição das crianças. 
No geral que eu merdas há que não faço distinção.
Imagem de perfil

De Quarentona a 23.01.2018 às 15:59

Pois foram, Filipa, e quem te escreve daqui é a rainha da Inglaterra ;))))
E eu repito também, não sou a favor de qualquer tipo de exposição e exploração da criança, penso que aqui estamos de acordo :))))
Sem imagem de perfil

De Me a 23.01.2018 às 19:22

N li (ainda) todosos comentários, mas sinceramente acho o programa condenável.
Obviamente haver gajas q explorem os filhos em blogs a criticar é só profundamente hilariante. 
Tb n concordo mto com a comparação a miúdos em publicidade (não falo da dos blogs das mães) ou nas novelas ou filmes.
Embora tb essas áreas devam ser bastante mais analisadas, mas já há p as mesmas legislação. 
Isto é só enxovalhar e expor crianças só pq sim. 
Daí a vir fazer boicotes a produtos e o catano vai um passo. 
Não vejo boicotes aos telemóveis cuja produção e matérias primas passam por ter miúdos de 3 e 4 anos a trabalhar e de pessoas a trabalharem em edifícios com grades p n se matarem.
Infelizmente já sabemos q este país é mto hipócrita...
Imagem de perfil

De Filipa a 23.01.2018 às 19:45

Que legislação há para os bebés, por exemplo, que fazem publicidade a uma merda qualquer???
E na publicidade não serve para expôr, então serve para quê? 
Isso do enxovalhar já são outros quinhentos.
Sem imagem de perfil

De Me a 23.01.2018 às 19:50

A mesma legislação que existe p as outras crianças. Supostamente só podes "usar" os pequenos em bens q se destinem a eles ou em q haja fundamento p eles constarem no anúncio. Se é ou n cumprida são outros 500.
Um bebé num anúncio, 10 anos depois ninguém sabe que era ele...já aquilo...
Imagem de perfil

De Filipa a 23.01.2018 às 20:04

Portanto, não há legislação. 
É que nem percebi bem o que escreveste, em bens que se destinam a eles?
Ou seja, posso vender a imagem do meu filhos em troca de kg e meio de tomate que serviria para lhe fazer sopa. É isto?


Depreendo que consideres que o que está em causa é a mostra do lado mau da coisa, é isso?
Que se fosse um programa que desse a conhecer ao mundo o quarto pastorinho e o resto da família pperfeita, algo que ninguém iria esquecer nem daqui a 10 anos, estarias de acordo com ele?
Acertei?
Sem imagem de perfil

De Me a 23.01.2018 às 20:32

Bem admito q escrever a dar mama me faz abreviar o texto, mas tu és uma moça esperta Filipa...naturalmente q por bens q se destinem a eles falo em publicitares umas fraldas ou uma papa. Se estiveres a publicitar um tampão n podes utilizar um bebé, dado q o mesmo n faria grande usodo produto. Fui mais clara assim??


Não o q me choca n é exporem apenas o lado mau, e claramente deve ser a primeira vez q lês um comentário neu, se pensas assim .
Passo a vida (ainda ali em cima o fiz) a condenar as mães bloggers q exploram os miúdos...embora os metam sp felizes e lindinhos. Não é mm por aí...agora vou mudar uma fralda e já cá volto...
Sem imagem de perfil

De Tita a 23.01.2018 às 21:09

Mas que legislação é essa?
É que eu saiba é proibído menores de 16 anos trabalharem. Ponto.
Ou vais dizer-me que as crianças são usadas sem qualquer remuneração? 


(pois, sabemos em nome de quem são feitos os contratos, não é?)


E porque é que nunca se lembraram de agir contra o trabalho infantil tão em voga na tv? A começar na publicidade e a acabar nas novelas e programas de talentos (música, moda, cozinha, etc)
Sem imagem de perfil

De Me a 23.01.2018 às 22:25

Pois Tita, mas (com respeito, e n estou mm a hostilizar) mas sabe mal. "Não é proibido menores de 16 trabalhem, ponto." Podem trabalhar sim, e há uma legislação laboral própria.  Creio que até surgiu precisamente devido aos menores q participavam nas novelas e cinema. 


Mas por acaso a legislação que me referia ali acima tinha a ver com a publicidade, que comp expliquei n permite que se use a imagens de menores à balda.
Se considero q a mm é completamente respeitada isso é outra conversa.
Infelizmente as leis são, por norma, legisladas com termos vagos e mtas vezes ambíguos, o que tb dá mta margem p quem quer ser criativo.


Imagem de perfil

De Filipa a 23.01.2018 às 22:27

E como está legislado, já concordam?


Isto só melhora, carai.
Sem imagem de perfil

De Me a 23.01.2018 às 22:49

Foda-se tu hoje tás p me tirar do sério. Raio da gaja.
Olha lá, onde é q leste q por estar legislado eu já concordo??!


Apenas corrigi a tita. Se queremos falar das coisas tb convém ter o mínimo de conhecimento, digo eu.
Há mto q existe esta legislação laboral p os menores.


Os meus filhos n fazem publicidade e tb n me estou a ver a permitir, de ânimo leve, que sejam actores em tenrra idade. E n disse q concordava. 
Mas cá a ver. O Joãozinho ou a Luísa chegam aí aos seus 12 ou 13 anos e já há 4 que te andam a chatear que querem fazer teatro ou tv. Têm um jeito do catano p isso. Consegues garantir a 100% q n os vais deixar?
E n vês diferença num miúdo q sonha (e tem talento p isso) em fazer cinema e esta merda de programa??!
Estes miúdos foram sequer consultados? 
Imagem de perfil

De Filipa a 23.01.2018 às 22:26

Tão, são pagos em tomates, em fraldas e assim.


Pá, desculpem-me mas continua a fazer-me confusão quem acha que a exposição tem diferentes patamares ou de quem acha que expor as merdas más é que é lixado.
Para mim é tudo a mesma merda e se o programa teve direito a uma petição, as bloggers também o deviam ter.
Simples assim.
Sem imagem de perfil

De Me a 23.01.2018 às 22:40

Carai gaja, tu n me enerves pá, olha q me passa pó leite!!! 😛
Por partes q acho q vai p aqui uma grande confusão. Onde é q me viste a "defender" a publicidadr ou os actores ou o carai, hum??!!
Apenas acho q são coisas diferentes e q n estão no mm patamar. E sim, haver alguma legislação p impor limites faz diferença sim, desculpa mas faz.
Se acho q a q existe é suficiente? Nao, n acho.


Ora bem, sp condenei aquela exposição q as bloggers fazem dos filhos, seja ou n com fins lucrativos. Tal como condeno quem expõem os filhos sem quaisquer cuidados, pelo menos, no FB ou outras redes. Sejam coisas boas e bonitas ou sejam momentos menos felizes. 
O princípio da coisa aqui é o dto da criança à sua privacidade e os efeitos q aquilo pode ter na sua vida actual/futura.


Estas crianças n são minimamente anónimas. Sabemos os seus nomes onde vivem, o nome dos amigos, dos bonecos e mais o caralho.
Um puto q tu vês no catálogo da zippy, a menos q calhe em ser o filho da tua vizinha, nem sequer fazes ideia se o puto é português qt mais como se chama e onde estuda. 
E isso é outro ponto onde vejo mta diferença e q concerne na segurança destas crianças. 


Acho q extremista é achar q devem acabar os putos no anúncio da cerelac ou no catálogo da chico e achar q o efeito destas exposições são similares ao programa em questão ou às mães q metem as suas "gordinhas" em matchi-matchi ou fotos das crias a usarem a sanita.
Desculpem lá mas n acho q os efeitos sejam os mm.
Sem imagem de perfil

De Me a 23.01.2018 às 22:54

Ah, e eu n participei em nenhuma petição, mas alinhava numa contra as bloggers. Aquela merda sp me meteu nojo. Aliás, acho q cheguei a fazer um pot sobre esta merda. Em q até vou mais longe q tu, a diferença entre a merda q essas gajas fazem e um pai q mete a filha a prostituir-se, basicamente é o dto à utilização do corpo delas por parte de terceiros. 😛
Imagem de perfil

De Filipa a 24.01.2018 às 08:42

"Defendes" a partir do momento em que colocas patamares nas exposições apenas porque existe legislação ou lá que merda é.



E esse exemplo da Zippy ultrapassa-me um bocadinho, sabes?
Se hoje me cruzasse com a miúda do primeiro programa, não a conheceria, maneiras que essa de esperar que não me conheçam os putos por este ou aquele motivo, é apenas um grande disparate.


E estávamos aqui dias a discutir os nossos pontos de vista que estão em pé de igualdade; lá terás a tua razão e eu tenho a minha. Estas "discussões" são boas para abrirmos horizontes mas não quer dizer que mudemos de posição. 
Tivesse eu tempo e verias a puta de petição que começava aí a bombar.
A cpcj a mostrar porque caralho está demasiado presente em certas merdas e outras é um deserto de humanidade desgraçada. 


Beijoca ao neném. 
Sem imagem de perfil

De Me a 24.01.2018 às 09:34

Claro q temos todos dto à nossa opinião.


Na minha opinião estão é a miaturar-se dois conceitos, q eu acho diferentes e que acho claramente um mto mais grave do q o outro. Não querendo ainda assim defender q o menos grave está correcto.


Uma coisa é o dto de imagem outra é o dto à vida privada.
Qd metes um puto num anuncio a shampo de baby estás a "abusar" do dto de imagem daquela criança, n estás a violar a vida privada do mesmo. Isto pq n estás a expor a vida privada da criança e nem sequer há nenhuma identificação do mesma.


O q se passa no programa e na javardeira desses blogues das maezinhas é uma violação à privacidade e vida pessoal dos miúdos. 
Estás a expor a intimidade daquelas crianças. Seja a fazer birra seja num momento ternurento em q brincam com o cão. É  a vida delas. Não é um faz de conta p o anúncio.


Bem, qd tiveres tempo p a petição p as mães avisa q eu alinho 😉 há anos q essa merda me revolta.


Beijinho entregue 😚
Imagem de perfil

De Filipa a 24.01.2018 às 14:30

E na minha o conceito é o mesmo: exposição. 
Para este tipo de coisas não há patamares. Ou é ou não é. Não se pode abrir excepções senão aligeira-se a questão e banaliza-se o essencial.
O direito de imagem está associado à vida privada, pá.  No exemplo que deste, no anúncio não existe violação da vida privada porém é uma consequência da mesma. Para mim é a mesma merda, muda o cheiro e o embrulho.
Uma pena é o silêncio a que as bloggers nos obrigam a estar sujeitas.
Tão opinativas e sobre este assunto parecem ratos.
Sem imagem de perfil

De Me a 24.01.2018 às 15:24

Eu percebo o teu ponto, mas n consigo olhar p as 2 coisas de forma igual. 
E sim, eu sei q o dto de imagem e privacidade estão ligados, mas acho q é possível fazer uma separação de águas.


Mas, em suma, tendo ou n a mm opinião, q fique bem claro q n critico nem.nunca critiquei pq mostra coisas menos boas. Não é esse o ponto, nunca foi. 


Vá, e não explorem mto esse filão q ainda me lixam o "stranger things" 😜😜
Sem imagem de perfil

De Me a 24.01.2018 às 09:40

Faltou só dizer q o mim os blogges fazem uma devassa da vida privada destas crianças. P mim é aí q reside a diferença.


Qt à tua questão de te lembrares ou n da cara da miúda VS puto do catálogo da zippy, o meu ponto n é o lembrares ou n, é o haver uma identificação da identidade destas crianças.
Daqui a 10 n saberias procurar o puto do catálogo mm q quisesses, já um destes putos seria meteres o nome na net e provavelmente acharias em segundos. 
De um lado tens um certo anonimato do outro não, tens uma exposição gigantesca (que como digo, acho até q pode colocar em risco estas crianças...q tarados é coisa q n falta aí. Mas pronto as mães estão mais ocupadas em receberem roupinhas das marias gordas e ptuxi ptuxi e mais o caralho)
Sem imagem de perfil

De Isa a 24.01.2018 às 10:27

Portanto, o que fere as susceptibilidades assim mais à bruta é o facto de as crianças serem repreendidas à frente de uma câmera, que os filma e vai mostrar aquele momento a milhares de pessoas, certo? Também mostra outras coisas, como por exemplo, a criança a interagir, após ser repreendida (parece que aqui é que mora o busílis, que eu cá chamo àquilo "repreender", "contrariar" ou "impôr limites",ao invés de "enxovalho"), dizia eu que também mostra a criança interactiva, a criança atenta a tarefas, a criança a participar, a criança entusiasmada  pôr lá a bonecada no quadro e etc, mas como foi "enxovalhada" - pás, a sério .. é que não param de me surpreender, carago.. - de tudo o que acontece é somente aquilo que registam, e ainda por cima com aqueles contornos: "enxovalho". 


Das raríssimas vezes que vejo uma criança a ser repreendida em público -  e agora percebo porquê que é tão raro, quando há tantos que precisavam tanto, é que afinal se trata de um "enxovalho" e a gente não quer cá disso, que os deuses nos livrem - contudo, nunca olhei aquilo como um enxovalho. O que me leva, mais uma vez, a evidenciar o que todos sabemos; nós, os adultos, é que estragamos esta cena toda. 


O programa é o que é, mas pás, nós somos um cadito valente piores que aquele programa ao rotularmos  actos, que esses sim,os rótulos, é que os perseguirão no futuro.   
Sem imagem de perfil

De Me a 24.01.2018 às 14:56

Oh mulher, o q digo ser enxovalho n é apenas o serem repreendidas. 
Para mim expor a vida privada de uma criança, esteja ela a ser repreendida ou a meter a mesa contente, é estar a fazer pouco do dto q essa criança tem de estar a fazer o q quer q seja entre 4 paredes sem milhões de pessoas terem acesso a ver. 
O "enxovalho" é  n haver respeito pelo espaço/tempo/vida privada da miúda.


Mas n me batam. Eu n fiz petição nenhuma nem boicotei marca nenhuma.


Mas q acho aquilo um nojo, acho. Tal como sp achei um nojo os mammy blogs.

Comentar post






Header gentil e adoravelmente cedido pela

Gaffe